19:03 15 Fevereiro 2019
Ouvir Rádio
    Membros do grupo radical Talibã (foto de arquivo).

    Após 17 anos de guerra, Talibã não pode ser derrotado, admite general dos EUA

    © AP Photo / Allauddin Khan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 310

    A guerra no Afeganistão não pode ser vencida militarmente e a paz só será alcançada por meio de uma resolução política com o Talibã, admitiu o general americano recém-nomeado encarregado das operações dos EUA e da OTAN, Austin Scott Miller.

    Em sua primeira entrevista desde que assumiu o comando da missão Suporte Resoluto da OTAN em setembro, Miller forneceu à NBC News uma avaliação surpreendentemente franca do conflito aparentemente interminável, que começou com a invasão do Afeganistão pelos EUA em outubro de 2001.

    "Isso não vai ser vencido militarmente. Isso está indo para uma solução política", disse Miller.

    Ele ponderou que o Talibã também está cansado de lutar e pode estar interessado em começar a "trabalhar com a peça política" da guerra de 17 anos.

    Mas não está claro se o Talibã está aberto a negociações. No mês passado, um importante comandante da organização disse à rede RT, em uma rara entrevista, que os líderes do grupo não tinham vontade de negociar com os americanos.

    Descrito há anos como um impasse, o conflito tem sido uma inclinação a favor do Talibã nos últimos meses. Mesmo por estimativas militares dos EUA, o governo afegão controla ou influencia pouco mais da metade dos 407 distritos do país — um recorde baixo desde que o Inspetor-Geral Especial para Reconstrução do Afeganistão (SIGAR), começou a monitorar o controle distrital em novembro de 2015.

    Para piorar a situação, as baixas entre as forças do governo afegão dispararam nos últimos meses. As forças de segurança afegãs sofreram 1.000 mortes em agosto e setembro, segundo o Pentágono.

    O desejo de Miller por um acordo político foi retomado anteriormente pelo Departamento de Estado, que disse em agosto que os EUA estavam fazendo todo o possível para facilitar as negociações de paz entre o Talibã e o governo afegão.

    O novo comandante dos EUA enfrentou a deterioração da situação de segurança no Afeganistão em primeira mão. Em outubro, Miller sobreviveu a um ataque do Talibã em Kandahar, que deixou um proeminente chefe de guerra afegão e um chefe de inteligência local mortos.

    Mais:

    Autoridade afegã: 8 membros do Talibã são mortos em bombardeio por avião russo ou tajique
    Forças dos EUA ajudam tropas afegãs a resgatar dez reféns do Talibã, diz OTAN
    Afeganistão confirma que não participará de negociação convocadas com o Talibã por Moscou
    Tags:
    terrorismo, guerra do afeganistão, diplomacia, guerra, acordo de paz, Talibã, Departamento de Estado dos EUA, OTAN, Austin Scott Miller, Cabul, Estados Unidos, Kandahar, Afeganistão