00:22 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Membros do grupo radical Talibã (foto de arquivo).

    Após 17 anos de guerra, Talibã não pode ser derrotado, admite general dos EUA

    © AP Photo / Allauddin Khan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    11300

    A guerra no Afeganistão não pode ser vencida militarmente e a paz só será alcançada por meio de uma resolução política com o Talibã, admitiu o general americano recém-nomeado encarregado das operações dos EUA e da OTAN, Austin Scott Miller.

    Em sua primeira entrevista desde que assumiu o comando da missão Suporte Resoluto da OTAN em setembro, Miller forneceu à NBC News uma avaliação surpreendentemente franca do conflito aparentemente interminável, que começou com a invasão do Afeganistão pelos EUA em outubro de 2001.

    "Isso não vai ser vencido militarmente. Isso está indo para uma solução política", disse Miller.

    Ele ponderou que o Talibã também está cansado de lutar e pode estar interessado em começar a "trabalhar com a peça política" da guerra de 17 anos.

    Mas não está claro se o Talibã está aberto a negociações. No mês passado, um importante comandante da organização disse à rede RT, em uma rara entrevista, que os líderes do grupo não tinham vontade de negociar com os americanos.

    Descrito há anos como um impasse, o conflito tem sido uma inclinação a favor do Talibã nos últimos meses. Mesmo por estimativas militares dos EUA, o governo afegão controla ou influencia pouco mais da metade dos 407 distritos do país — um recorde baixo desde que o Inspetor-Geral Especial para Reconstrução do Afeganistão (SIGAR), começou a monitorar o controle distrital em novembro de 2015.

    Para piorar a situação, as baixas entre as forças do governo afegão dispararam nos últimos meses. As forças de segurança afegãs sofreram 1.000 mortes em agosto e setembro, segundo o Pentágono.

    O desejo de Miller por um acordo político foi retomado anteriormente pelo Departamento de Estado, que disse em agosto que os EUA estavam fazendo todo o possível para facilitar as negociações de paz entre o Talibã e o governo afegão.

    O novo comandante dos EUA enfrentou a deterioração da situação de segurança no Afeganistão em primeira mão. Em outubro, Miller sobreviveu a um ataque do Talibã em Kandahar, que deixou um proeminente chefe de guerra afegão e um chefe de inteligência local mortos.

    Mais:

    Autoridade afegã: 8 membros do Talibã são mortos em bombardeio por avião russo ou tajique
    Forças dos EUA ajudam tropas afegãs a resgatar dez reféns do Talibã, diz OTAN
    Afeganistão confirma que não participará de negociação convocadas com o Talibã por Moscou
    Tags:
    terrorismo, guerra do afeganistão, diplomacia, guerra, acordo de paz, Talibã, Departamento de Estado dos EUA, OTAN, Austin Scott Miller, Cabul, Estados Unidos, Kandahar, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik