06:59 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Meiliana, uma mulher de etnia chinesa, dentro de uma Corte distrital em Medan, na Indonésia.

    Mulher reclama de som alto em mesquita e é presa na Indonésia

    © AP Photo / Binsar Bakkara
    Ásia e Oceania
    URL curta
    137

    Uma mulher na Indonésia foi sentenciada a 18 meses de prisão nesta terça-feira (21) por reclamar sobre o barulho em uma mesquita fazendo chamadas para a oração, a condenação mais recente feita através da controversa lei de blasfêmia no país, que proíbe que a difamação de religiões, em especial o islamismo.

    Meiliana, uma mulher de 44 anos, de uma etnia budista chinesa, foi considerada culpada por insultar o islã ao pedir que uma mesquita em sua vizinhança abaixasse o volume de seu sistema de som, conforme reporta a AFP.

    A Indonésia tem cerca de 800 mil mesquitas espalhadas por suas ilhas. As cinco chamadas diárias para as orações são ouvidas em todos os lugares do país, nas grandes e pequenas cidades.

    O veredicto emitido nesta terça-feira (21) vem em meio a um temor de o que o islã moderado seja cada vez mais influenciado pelos radicais.

    A Corte de Medam, na ilha de Sumatra, disse que os comentários da mulher, feitos dois anos atrás, foram o estopim de protestos violentos, em que muçulmanos atacaram templos budistas fazendo com que chineses étnicos da área fugissem.

    O advogado de defesa de Meiliana disse que sua cliente apelaria da decisão, enquanto a Anistia Internacional pediu que uma Corte superior derrube a sentença. "Essa decisão ridícula é uma flagrante violação da liberdade de expressão", disse o diretor executivo da ONG na Indonésia, Usman Hamid. "Sentenciar alguém a 18 meses de prisão por algo tão trivial é uma ilustração gritante da crescente aplicação arbitrária e repressiva da lei da blasfêmia no país", continuou.

    A Indonésia, que tem maior população muçulmana do mundo, é oficialmente pluralista com seis religiões principais reconhecidas, incluindo o Hinduísmo, o Cristianismo e o Budismo. A liberdade de expressão também é supostamente garantida pela lei do país.

    Porém, criticar a religião, particularmente o Islã, pode te levar para a prisão. A religião é seguida por quase 90 milhões de pessoas, enquanto a Indonésia tem 260 milhões de habitantes.

    Ano passado, o então prefeito de Jacarta, o primeiro líder cristão e de descendência chinesa da cidade, foi sentenciado a dois anos de cadeia por blasfêmia.

    Grupos de promoção de direitos têm feito campanha contra a lei de blasfêmia, que eles acreditam ser frequentemente mal utilizada para atingir as minorias.

    Mais:

    Gangue de pítons invade rua na Indonésia
    Indonésia é atingida por terremoto de magnitude 6,5
    Terremoto de magnitude 6,3 atinge ilha da Indonésia
    Terremoto destrói gravemente povoação indonésia na ilha de Lombok (VÍDEO)
    Tags:
    islamismo, budismo, cristianismo, hinduísmo, Anistia Internacional, AFP, Usman Hamid, Meiliana, Sumatra, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik