06:46 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente russo, Vladimir Putin, se encontra com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, Kremlin, Moscou, 23 de dezembro de 2015

    Rússia, China e Índia podem isolar EUA com tarifas comerciais, diz especialista

    © Sputnik / Aleksey Nikolsky
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7231

    As crescentes tensões comerciais provocadas pelos EUA, que aumentam as tarifas sobre produtos estrangeiros, podem levar ao isolamento dos Estados Unidos pelas economias emergentes do mundo, segundo um economista indiano.

    A Índia e a China, com o apoio da Rússia, podem se unir sob a pressão das tarifas dos EUA, segundo o Dr. N.R. Bhanumurthy, professor do Instituto Nacional de Finanças Públicas e Política, com sede em Nova Déli.

    "Pode-se também ler algo nas chamadas visitas informais recentes do primeiro-ministro Modi à China e à Rússia", disse o economista à Sputnik International.

    "Os recentes desenvolvimentos durante a reunião do G-7 no Canadá também sugerem que os EUA parecem estar ficando isolados e, nesse caso, a situação trilateral entre Rússia, Índia e China poderia ser uma situação ganha-ganha não apenas para esses três países, mas também outros países do BRICS que estão lutando com aumentos de tarifas nos EUA", acrescentou.

    No início deste ano, o presidente dos EUA, Donald Trump, impôs uma taxa de importação de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio de vários países, incluindo Rússia, China e Índia. Todos os três abriram disputas na Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o movimento que consideram protecionista. Além disso, a Rússia e a Índia aprovaram tarifas espelho que devem cobrir suas perdas devido às taxas dos EUA.

    No início deste mês, mais de mil categorias de produtos chineses foram afetadas por 25% das tarifas de exportação. Pequim retaliou imediatamente com uma tarifa de 25% sobre 545 produtos norte-americanos no valor de US$ 50 bilhões. O passo desencadeou outra onda de ameaças de Trump.

    Bhanumurthy exortou as partes a reviver os acordos comerciais regionais que foram negligenciados por algum tempo. Além dos BRICS, a Índia é membro da Associação do Sul da Ásia para Cooperação Regional (SAARC), que inclui Afeganistão, Bangladesh, Butão, Nepal, Maldivas, Paquistão e Sri Lanka.

    "Como vimos no passado, que a globalização levou aos ganhos para todos os países, durante a reversão, poderemos ter de enfrentar exatamente o oposto disso", opinou o professor. "Não é de se surpreender que o atual presidente dos EUA esteja claramente à procura de protecionismo em grande escala, especialmente durante as próximas eleições".

    O economista também disse que medidas protecionistas adicionais contra a Índia podem ter um impacto adverso em seu crescimento, já que as corporações do país dependem fortemente de exportações e importações.

    "O comércio costumava contribuir com cerca de 20-25% do PIB, especialmente durante o período de alto crescimento em meados dos anos 2000", pontuou Bhanumurthy. "O setor de serviços, especialmente o setor de TI, seria um grande sucesso. Vimos como alguns dos gigantes do software prometeram aos EUA que eles recrutariam localmente para suas operações globais".

    Mais:

    Mais guerra: Índia anuncia retaliação de US$ 240 milhões em tarifas contra os EUA
    Índia volta a testar seu míssil balístico com mais de 5.000 km de alcance
    Chanceler da Índia dispara: 'Nós não somos obrigados a cumprir as sanções dos EUA'
    Tags:
    retaliação, sanções, diplomacia, BRICS, OMC, N.R. Bhanumurthy, Narendra Modi, Donald Trump, Estados Unidos, China, Índia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik