18:57 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Duterte testa os armamentos

    Filipinas quer dar armas de graça para quem quiser combater o crime nas ruas

    © Foto : REUTERS/Romeo Ranoco
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7125

    O Ministério do Interior das Filipinas anunciou planos para fornecer armas de fogo gratuitas para aproximadamente 42.000 líderes comunitários, a fim de intensificar a batalha estatal contra as drogas e o crime, que continua a atrair a ira dos defensores dos direitos humanos.

    A decisão de fornecer armas de fogo para os líderes comunitários — conhecidos localmente como capitães barangay — foi anunciada pelo ministério na quarta-feira. As localidades barangay das Filipinas variam em tamanho e podem ser descritas como distritos ou bairros.

    A principal condição para adquirir uma arma para os capitães barangay é estar disposto a combater o crime e a não se envolver em atividades ilícitas. As referidas armas serão fornecidas gratuitamente ou o Estado subsidiará uma compra privada da arma de escolha de um capitão.

    "A condição é que o capitão lute contra drogas e crime. Se ele for conivente com criminosos, ele pode ser o único a ser atacado", disse à Agência Reuters o subsecretário do Departamento de Interior, Martin Dino, que supervisiona os barangays do país.

    Na terça-feira, o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, afirmou que estava considerando dar as armas aos capitães barangay. Na semana passada ele prometeu fornecer a mesma proteção legal que os policiais, afirmando que eles "nunca irão para a cadeia" se eles matarem suspeitos de crimes. Ao mesmo tempo, o homem forte das Filipinas acusou repetidamente alguns funcionários da comunidade de estarem envolvidos no tráfico de drogas ilícitas.

    A decisão de armar os capitães barangay foi condenada pelas figuras da oposição do país, que expressaram temores de que poderia levar à violência generalizada e efetivamente transformar as Filipinas em um "oeste selvagem".

    "Com a mesma mentalidade de matar agora, poderíamos esperar que todo o país se tornasse um campo de morte", afirmou o deputado Gary Alejano.

    Duterte foi eleito presidente em 2016, prometendo erradicar o tráfico de drogas ilegais no país, atormentado pelo shabu — gíria local para a metanfetamina. A guerra contra as drogas que se desdobrou desde então custou a vida de mais de 4.000 pessoas, segundo dados oficiais, enquanto grupos de direitos humanos alegam que o número pode ser pelo menos três vezes maior.

    A aplicação da lei tem sido repetidamente acusada de assassinatos extrajudiciais de traficantes suspeitos, enquanto as observações controversas de Duterte apenas forneceram motivos para novas especulações.

    A guerra das Filipinas contra as drogas invocou a ira de grupos de direitos humanos, incluindo o Conselho de Direitos Humanos da ONU, que iniciou uma investigação sobre supostos abusos e execuções extrajudiciais. Todas as acusações foram ignoradas pelos funcionários do país, com o próprio Duterte insultando os grupos de direitos humanos. Em uma de suas últimas tiradas, o presidente das Filipinas classificou o comissário de direitos humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al Hussein, como "filho de uma prostituta", que não tem "matéria cinzenta entre [suas] orelhas".

    Mais:

    Duterte: Filipinas não planeja criar alianças militares com Rússia ou China
    EUA e Filipinas iniciam maiores manobras militares conjuntas na presidência de Duterte
    Presidente das Filipinas sugere jogar investigadores da ONU 'aos crocodilos'
    Tags:
    violência, tráfico de drogas, narcotráfico, armas, barangay, Zeid Ra'ad Al Hussein, Gary Alejano, Martin Dino, Rodrigo Duterte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik