09:15 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-coreanos olham para seu líder Kim Jong-un

    Inteligência dos EUA tem dúvidas quanto ao fechamento do polígono norte-coreano

    © AP Photo/ Wong Maye-E
    Ásia e Oceania
    URL curta
    443

    O polígono de testes nucleares subterrâneo que a Coreia do Norte prometeu fechar continua operacional apesar dos danos produzidos pelo último lançamento, enquanto seu fechamento pode facilmente ser revertido, declararam oficiais dos serviços secretos dos EUA sob anonimato.

    De acordo com eles, a Coreia do Norte bem pode ainda reabrir o local, danificado pelo suposto lançamento de uma bomba de hidrogênio.

    Citados pela agência Reuters, agentes da inteligência destacaram que "não há nenhuma razão para acreditar que o polígono de testes Punggye-ri deixou de estar funcional" a despeito de "alguns danos geológicos menores" causados pelo último teste.

    O local de lançamentos pode ser reativado "em prazos relativamente curtos", dizem, mas, caso Pyongyang realmente cumpra sua promessa de suspender os testes nucleares, "será possível determinar, através do monitoramento existente, se realmente está fora de serviço permanentemente ou apenas fechado".

    As declarações foram feitas na sequência das promessas do líder norte-coreano, Kim Jong-un, de suspender os testes de mísseis balísticos e armas nucleares em geral.

    Para cumprir essa promessa "de modo transparente", Pyongyang prometeu desmantelar o local de testes de Punggye-ri, como uma das medidas para alcançar a "desnuclearização total" da península.

    Todos os seis testes conduzidos pelo governo norte-coreano foram efetuados nesse local, no nordeste do país.

    Mais:

    Especialista desvenda o plano B da Coreia do Norte
    Pentágono: EUA estão abertos para discutir retirada de tropas da península da Coreia
    Coreia do Sul sai debaixo do 'guarda-chuva nuclear' dos EUA, afirma analista
    Tags:
    desnuclearização, serviço secreto, inteligência, Kim Jong-un, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik