00:20 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    USS Michigan no porto de Busan, foto de arquivo

    'Missão secreta' dos submarinos dos EUA perto da península coreana

    © Foto/ U.S. Navy/MC2 Jermaine M. Ralliford
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1893
    Nos siga no

    O submarino nuclear USS Michigan chegou no porto sul-coreano de Busan e se está preparado para tomar parte das maiores manobras de Seul e Washington que começam na semana que vem.

    O papel principal será desempenhado pelo grupo aeronaval da Marinha dos EUA que, em conjunto com destróieres sul-coreanos equipados com sistemas Aegis, vão treinar a intercepção de mísseis norte-coreanos.

    No entanto, a presença do submarino norte-americano pode indiciar intenções mais sérias dos aliados.

    Em 11 de outubro, a mídia sul-coreana divulgou a notícia que em uma das bases sul-coreanas esteve presente desde sábado passado o submarino dos EUA Tucson. Logo após que a notícia foi revelada, o submarino zarpou em direção desconhecida. Isto provocou uma onda de suposições sobre a "missão secreta" dos EUA em águas coreanas.

    Dados não oficiais afirmam que o submarino Tucson apenas se reabasteceu de reservas de víveres e que logo depois o submarino deixou o porto.

    Os submarinos dos EUA têm autorização de entrar nos portos sul-coreanos tanto para participar de manobras, como para se reabastecerem, informa a agência sul-coreana Yonhap, por isso a parte norte-americana raramente revela os objetivos dessas "visitas".

    A ausência de informação sobre a presença do Tucson na Coreia do Sul não surpreendeu os observadores, mas o que surpreende de verdade é o fato que agora são já dois os submarinos americanos perto da Coreia do Norte, o que é um fenômeno bem raro. Segundo dados mais recentes, o Tucson pode atualmente estar nas águas do mar do Japão (mar do Leste), o que não exclui que o Tucson pode se unir ao grupo aeronaval para participar das manobras.

    Colunista da Sputnik, Andrei Olfert, lembra que a última vez em que dois submarinos norte-americanos estiveram tão perto da Coreia do Norte foi em abril deste ano, depois de mais uma onda de tensão entre Washington e Pyongyang. Naquela altura, o USS Michigan já estava no porto de Busan e o presidente Trump, falando com seu homólogo filipino, revelou que em águas coreanas estavam dois submarinos. Desde então, a situação piorou, frisa o analista, e não se pode excluir que tal concentração de navios de guerra possa ser usada para alguma ação real em relação a Pyongyang.

    Especialistas sul-coreanos afirmam que hoje em dia os submarinos são usados não apenas para escolta de porta-aviões, mas também para desembarque em território inimigo de grupos de reconhecimento e sabotagem. Os submarinos Tucson são os mais manobráveis e pouco visíveis no mundo. Eles podem transportar a bordo 24 mísseis de cruzeiro Tomahawk, enquanto o USS Michigan tem 154 mísseis e pode ser equipado também com armas nucleares táticas.

    Pyongyang ainda não reagiu à aproximação do grupo aeronaval às suas fronteiras. Mas estas provocações podem fazer com que Pyongyang comece respondendo tanto no ar quanto no mar. Nesse caso, a "missão secreta" dos submarinos americanos poderá ser revelada.

    Mais:

    OTAN: ataque contra Coreia do Norte teria 'consequências devastadoras'
    São detectados movimentos de sistemas de mísseis em várias partes da Coreia do Norte
    Só um ataque da Coreia do Norte aniquilaria 90% da população dos EUA
    Tags:
    manobras, tensão militar, USS Michigan, Coreia do Sul, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar