Especialista: situação entre EUA e Coreia do Norte está virando tragicomédia

© Sputnik / Ilia PitalevInaguração do Museu da Vitória na Guerra Pátria em Pyongyang, julho de 2013
Inaguração do Museu da Vitória na Guerra Pátria em Pyongyang, julho de 2013 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Submarino nuclear USS Michigan da Marinha norte-americana chegará até o fim desta semana à Coreia do Sul, informa a mídia. Isto acontece no âmbito da confrontação entre Pyongyang e Washington.

Sobre a chegada do USS Michigan informou jornal sul-coreano Chosun Ilbo, acrescentando que submarino entrará no porto de Busan e que, após o submarino, à península coreana será enviado um grupo aeronaval chefiado pelo porta-aviões USS Ronald Reagan. Esta medida é considerada preventiva em caso de novos testes de mísseis na Coreia do Norte.

Homem assiste à transmissão de notícias que mostra o presidente norte-americano Donald Trump e líder norte-coreano Kim Jong-un - Sputnik Brasil
Trump está chegando, Kim: líder dos EUA ficará a metros da Coreia do Norte em novembro
O USS Michigan está equipado com 154 mísseis Tomahawk que podem realizar um ataque cirúrgico contra objetivos na Coreia do Norte. O palácio de Kim Jong-un está na lista, frisa o jornal. Destaca-se ainda que esta medida será um sinal de advertência por parte da administração de Donald Trump em direção à Coreia do Norte.

Especialista em assuntos do Círculo do Pacífico Vladimir Terekhov comenta a situação para o serviço russo da Rádio Sputnik.

Segundo ele, não se trata da primeira aparição deste submarino na área, mas este fato não dá muita vantagem aos EUA.

"Muito provavelmente eles apenas precisam de fazer algo depois das declarações de Donald Trump, que, em geral, diz sempre a mesma coisa. Isto faz a situação se tornar tragicómica. O líder da primeira potência mundial se ocupa de bate-boca com a pessoa que governa Coreia do Norte", diz Terekhov.

Para ele, a demonstração da força de ambos os países não levará a um conflito real.

Cidade de Pyongyang - Sputnik Brasil
Pyongyang dispõe de mais de 7.000 bases militares subterrâneas
"Acho que a esta ação específica não será dada qualquer resposta. Mas já as ameaças podem provocar o lançamento de um míssil", destacou o especialista.

No entanto, como se sabe, o principal papel na região é da China. E se existe algum tipo de solução, ela será alcançada no âmbito da futura visita de Trump a Pequim, que está marcada para meados de novembro depois da cúpula da ASEAN, até esse encontro continuará a demonstração da força, afirmou o analista.

A atual demonstração de poder militar de Seul e Washington se deve à confrontação entre EUA e Coreia do Norte, que ultimamente trocaram declarações fortes. Por exemplo, falando perante ONU Trump ameaçou destruir a Coreia do Norte por completo. Em resposta, o líder norte-coreano prometeu tomar medidas duras. Contudo, a representante do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, comunicou que os EUA estão considerando vários tipos de resposta a Pyongyang, inclusive militar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала