01:06 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis americano ATACMS adquirido pelas Forças Armadas da Coreia do Sul

    Coreia do Sul mostra suas armas mais potentes no Dia das Forças Armadas (VÍDEO)

    © AFP 2018 / KIM JAE-HWAN
    Ásia e Oceania
    URL curta
    493

    A cerimônia, que foi acompanhada pelo presidente sul-coreano Moon Jae-in, envolveu a participação de 3,7 mil pessoas e foi transmitida pela televisão.

    Na quinta (28) a Coreia do Sul mostrou seus sistemas de artilharia, incluindo os novos mísseis balísticos, durante o Dia das Forças Armadas, reporta a Yonhap.

    Entre as armas apresentadas na cerimônia estavam os mísseis balísticos Hyunmoo-2 e os mísseis de cruzeiro Hyonmoo-3. Estes sistemas são elementos-chave da plataforma de defesa de "três eixos" da Coreia do Sul: o Sistema de Ataque Preventivo Cadeia de Matar, a Defesa Aérea e Antimíssil da Coreia (KAMD, em inglês) e o Esquema de Punição e Retaliações Massivas da Coreia (KMPR, em inglês).

    Foram ainda mostrados o Sistema de Mísseis Táticos do Exército (ATACMS) e a arma guiada antitanque Hyungung, os mísseis de defesa aérea Patriot PAC-II e os mísseis terra-ar M-SAM, Taurus e Slam-er.

    A cerimônia envolveu a participação de mais de 3,7 mil pessoas e foi transmitida ao vivo por um canal de televisão nacional.

    De acordo com a agência de notícias, o presidente sul-coreano Moon Jae-in inspecionou os armamentos e as tropas na cidade de Pyeongtaek, a 70 quilómetros a sul de Seul, na sede da Segunda Frota da Marinha. A unidade é responsável pela defesa das águas ocidentais a sul da Linha de Limite Norte (NLL), que é de fato a fronteira marítima entre as duas Coreias.

    Mais:

    Vice-chanceler: Coreia do Sul descarta solução militar para a crise na região
    EUA aprovam venda bilionária de armamentos à Coreia do Sul
    Tags:
    defesa antiaérea, capacidade militar, defesa, mostra, equipamento militar, mísseis balísticos, cerimônia, artilharia, Forças Armadas, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik