03:43 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    O destróier USS John S. McCain (DDG 56) da Marinha dos EUA

    Incidente envolvendo o destróier John McCain deixou inquietos os aliados dos EUA

    CC BY-SA 2.0 / Naval Surface Warriors / 170614-N-DL434-064
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Incidente com o USS John McCain (12)
    2566

    Os EUA não encontraram vestígios de qualquer ciberataque envolvendo o destróier USS John McCain. O cientista político Aleksandr Safonov opinou em uma entrevista ao serviço russo da Radio Sputnik que a atenção acrescida dada pelos EUA e seus aliados ao incidente não é acidental.

    A Marinha dos EUA, que está investigando o incidente envolvendo o destróier de mísseis John McCain no estreito de Malaca, até o momento não conseguiu achar provas que o navio tenha sido alvo de um ciberataque.

    "Atualmente não há indícios de um ciberataque ou sabotagem, no entanto a investigação vai considerar todas as opções possíveis", escreveu na sua conta no Twitter o chefe de Operações Navais dos EUA, almirante John Richardson.

    O USS John McCain colidiu com o petroleiro Alnic MC no estreito de Malaca em 21 de agosto quando se dirigia para o porto de Singapura. Após a colisão dez marinheiros desapareceram e outros cinco ficaram feridos. Entre a tripulação do navio-tanque Alnic MC não houve vítimas.

    O Comando da Sétima Frota da Marinha dos EUA informou em um comunicado que o casco do contratorpedeiro ficou seriamente danificado.

    "Danos significativos no casco provocaram a inundação dos compartimentos contíguos, incluindo camarotes da tripulação, sala das máquinas e sala de comunicações", diz o comunicado.

    Este é o segundo incidente neste verão envolvendo uma embarcação americana. Em meados de junho, o destróier USS Fitzgerald colidiu contra um porta-contêineres filipino próximo à costa do Japão. A colisão causou um rombo no casco abaixo da linha de água e fez sete mortos.

    Devido à regularidade dos acidentes, o almirante John Richardson decretou a paragem temporária de todas as operações navais.

    Segundo Aleksandr Safonov, é o fato de o USS John McCain e os outros navios dessa Frota se destinarem a se oporem à Coreia do Norte que causa tanta polêmica.

    "Acredito que as causas do incidente são a 'bagunça' geral que se vive na Sétima Frota, já que este não é o primeiro episódio do gênero que deixou vítimas mortais. Por que esse episódio chama tanta atenção? Porque a principal pergunta que os aliados dos EUA, incluindo a Coreia do Sul e o Japão, estão colocando é: o que vai acontecer se a Sétima Frota, do jeito como é bagunçada, provocar uma crise coreana? Porque o objetivo tanto do John McCain quanto dos outros navios dessa Frota é fazer frente à Coreia do Norte. Creio que se a situação em torno da Península da Coreia não fosse tão tensa, a reação a esses incidentes seria muito menos agitada", resumiu o especialista.

    Tema:
    Incidente com o USS John McCain (12)

    Mais:

    Tensão: China diz que destróier dos EUA no mar do Sul da China viola soberania
    Destróier dos EUA se choca com navio mercante no mar do Sul da China
    Destróier dos EUA 'conduz operação de liberdade de navegação' no mar do Sul da China
    Conheça projeto do novo destróier nuclear russo que ajudará Moscou a dominar os mares
    Tags:
    incidente, naufrágio, colisão, USS John S. McCain, USS Fitzgerald, Alnic MC, Sétima Frota dos Estados Unidos, John Richardson, Estreito de Malaca, Singapura, Japão, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik