02:11 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Militares filipinos em Marawi

    Lei marcial é aprovada na segunda maior ilha das Filipinas

    © REUTERS / Romeo Ranoco
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 40

    A Corte Suprema das Filipinas validou a lei marcial. A decisão foi tomada devido ao ataque terrorista em Marawi que matou ao menos 460 pessoas.

    Anteriormente o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, havia decretado na segunda maior ilha do arquipélago, Mindanao, após ataque jihadista na cidade de Marawi.

    "Esta decisão monstra que a Corte Suprema é solidária ao presidente na defesa da soberania nacional e na integridade territorial", informa o canal ABS-CBN, citando o procurador-geral das Filipinas, José Calida.

    Vale ressaltar que 11 dos 15 juízes aprovaram a lei marcial em todo o território de Mindanao, em concordância com a decisão de Duterte. Três se pronunciaram por limitá-la a Marawi e áreas adjacentes, e apenas um considerou não haver razão alguma para proclamá-la.

    Entre outras coisas, a lei marcial suspende o procedimento de habeas corpus, permitindo com que a polícia detenha suspeitos de terrorismo sem mandado judicial.

    A capital da província filipina de Lanao do Sul, Marawi, foi atacada em 23 de maio pelo grupo terrorista islâmico Maute. Praticamente, todos os 200 mil habitantes de Marawi fugiram ou foram evacuados. O ataque foi responsável pela morte de ao menos 460 pessoas, dentre eles 337 terroristas, 85 militares e 39 civis.

    O grupo Maute pretende separar Marawi do resto do país para estabelecer uma província do Daesh, organização terrorista proibida na Rússia e em muitos outros países.

    Mais:

    Após EUA enviar ajuda militar, presidente das Filipinas diz que nunca solicitou auxílio
    Duterte decreta Lei Marcial nas Filipinas. O que há por trás disso?
    Tags:
    terrorismo islâmico, lei marcial, Maute, Daesh, Rodrigo Duterte, Marawi, Filipinas, Ásia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar