02:56 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    21113
    Nos siga no

    O governo do Japão apoiou no dia 30 de junho as sanções introduzidas pelos EUA em relação ao banco chinês Dandong, que foi acusado de contribuir para o programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte.

    O secretário-geral do Gabinete de Ministros do Japão, Yoshihide Suga, anunciou isso numa coletiva em Tóquio.

    Os especialistas entrevistados pela agência Sputnik China pensam que a China sem dúvida vai reagir a esse passo do Japão. Isto, em particular, vai afetar os planos de realizar uma cúpula entre a China, Japão e Coreia do Sul, na qual Tóquio está muito interessado.

    No dia 29 de junho, os EUA declararam que vão inscrever o banco chinês Dandong na lista de sanções porque "ele está atuando como um condutor da atividade financeira ilegítima norte-coreana".

    Durante sua coletiva, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que a decisão de introduzir sanções contra o banco foi baseada em dados dos serviços secretos. Ele acrescentou que os EUA estão introduzindo sanções para fazer parar completamente o financiamento ilegítimo da Coreia do Norte.

    Essas e outras medidas foram tomadas logo depois de os EUA reconhecerem que seus esforços para pressionar a Coreia do Norte usando a China fracassaram.

    Ao escolher entre a solidariedade com os EUA no problema norte-coreano e a ameaça de piorar as relações com a China, o Japão escolheu a primeira opção. O especialista do Instituto da Pesquisa do Extremo Oriente da Academia de Ciências da Rússia, Valery Kistanov, opina que Pequim vai responder a essas ações hostis de Tóquio.

    "A China irá encontrar como responder. Em particular, a China congelou a cúpula da China, Japão e Coreia do Sul", disse o especialista, acrescentando que provavelmente o melhoramento das relações entre a China e o Japão irá abrandar muito.

    O especialista da Academia Diplomática da China, Zhou Yongsheng, disse que as obrigações do Japão como aliado dos EUA criam obstáculos para melhorar as relações com a China.

    "Acho que o Japão deve pensar mais sobre seu papel na região, prestando mais atenção à cooperação regional, e não se preocupar só com o apoio aos EUA. Tal aproximação ajudará o Japão e toda a região", disse Yongsheng.

    Mais:

    EUA, Índia e Japão participarão dos maiores treinamentos militares
    Terremoto de 5,7 graus sacode a região central do Japão
    Japão prepara a população para ataques de mísseis da Coreia do Norte
    Tags:
    testes de mísseis, programa nuclear, sanções, Steven Mnuchin, Donald Trump, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, Japão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar