03:56 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Caminhões dos EUA encarregam elementos do sistema THAAD

    Será que expansão militar dos EUA no Pacífico visa apenas contenção da Coreia do Norte?

    © AP Photo/ Forças dos EUA, Coreia
    Ásia e Oceania
    URL curta
    81921010

    A tensão devido ao programa nuclear da Coreia do Norte está crescendo, enquanto os EUA deslocam o seu sistema antimíssil para perto das fronteiras com este país.

    Os militares norte-coreanos realizaram uma série de lançamentos, o último dos quais segundo a mídia foi mal-sucedido. 

    O primeiro-ministro do Japão classificou estes lançamentos como um "novo nível de ameaça" para o país, enquanto Kim Jong-un afirma que é "o renascimento da indústria de mísseis" e que todos os lançamentos foram bem-sucedidos. 

    Por sua parte, o chefe da Agência Internacional de Energia Atómica Yukiya Amano afirma que a Coreia do Norte "está reforçando seu potencial nuclear a ritmos acelerados. Não podemos ser otimistas. A situação é muito má. Não temos razões para otimismo", declarou Amano. 

    A guerra é uma variante possível

    A tese do chefe da AIEA corrobora as declarações do novo secretário de Estado norte-americano Tillerson durante a sua visita para região da Ásia de que a Coreia do Norte tem que perceber que tem só um caminho para o futuro economicamente estável e seguro: abster-se do desenvolvimento de armas nucleares. 

    Já em Seul, na coletiva de imprensa com o ministro sul-coreano das Relações Exteriores Yun Byung-se, Tillerson acrescentou que já está "sendo elaborada" uma série de medidas em relação a Pyongyang, ele falou também sobre o "fracasso dos esforços diplomáticos e sobre a necessidade de um novo conceito", acrescentando também que "ação militar contra a Coreia do Norte é uma possibilidade em discussão". 

    Uma parte deste novo conceito pode ser o isolamento total da Coreia do Norte do sistema financeiro internacional, comunica a Reuters citando as próprias fontes na administração de Trump. O novo pacote de sanções pode afetar ainda empresas e bancos chineses que estão interagindo com o país. 

    É pouco possível que uma disputa com a China em relação a este assunto dissuada Trump, que já conseguiu classificar Pequim como "manipulador monetário" que "estuprou a economia dos EUA" e "efetuou um dos maiores roubos na história da humanidade". 

    A conversa telefônica entre Trump e presidente do Taiwan Tsai Ing-wen é mais um fator que irrita a China, que não reconhece este país. 

    Melhor não comparar maçãs com laranjas 

    Um outro elemento deste plano é o deslocamento do THAAD na região da Ásia. O Ministério da Defesa da Coreia do Sul confirmou que este deslocamento, que já se iniciou, vai ser efetuado na província de Seongju e vai levar um ou dois meses. Washington precisa que o sistema da defesa antimíssil se destine apenas a "proteger a Coreia do Sul da ameaça nuclear por parte da Coreia do Norte". Mas Moscou e Pequim não entendem a situação de forma tão linear. 

    "Ambas as partes mostraram de novo preocupação séria e desaprovação decisiva relativamente ao fato de que os EUA e a Coreia do Sul continuam promovendo o deslocamento do sistema antimíssil THAAD. Ambas as partes chamam os EUA e a Coreia do Norte a respeitarem a preocupação fundada e justa da China e da Rússia no sentido da segurança, de maneira a não ameaçar o equilíbrio estratégico na região, e a acabarem com o deslocamento do THAAD", diz a declaração conjunta dos ministérios das Relações Exteriores da Rússia e da China.

    No início de março os EUA também ignoraram a proposta da China de suspender os exercícios conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul em troca de uma suspensão de lançamentos de mísseis por parte de Pyongyang. 

    Respondendo à proposta, o secretário da imprensa do Departamento de Estado norte-americano Mark Toner declarou o seguinte: "Esta ideia não é realista porque se trata das iniciativas militares completamente diferentes. É como comparar maçãs e laranjas". 

    Mas durante uma reunião entre Tillerson e Xi Jinping em Pequim, o político norte-americano acrescentou que os EUA têm intenções de fazer todo possível para não permitir qualquer conflito. 

    Mais:

    Coreia do Norte 'está pronta para guerra' contra EUA, mesmo tendo lançado míssil falho
    Coreia do Norte ameaça reduzir EUA 'às cinzas' em caso de ataque
    Tags:
    sistema antimísseis, deslocamento, potencial nuclear, testes, tensão, relações, mísseis, lançamento, política, ameaça, conflito, THAAD, Rex Tillerson, Xi Jinping, Ásia, Coreia do Sul, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik