21:00 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull em frente ao Parlamento da Austrália

    EUA 'surpresos' com dinheiro e influência da China na política australiana

    © REUTERS/ AAP/Sam Mooy
    Ásia e Oceania
    URL curta
    184516

    O embaixador norte-americano na Austrália, John Berry, manifestou preocupações dos EUA sobre o impacto da China na política australiana, dizendo que Washington desejaria que o sistema local fosse reformado para remover a influência das doações chinesas aos políticos australianos.

    Em uma entrevista ao jornal The Australian, o embaixador afirmou que os EUA estão "surpresos" com a quantidade de dinheiro e influência da China na política australiana e querem que a Austrália “resolva” o problema das doações estrangeiras. 

    Na semana passada, o Partido Trabalhista, da oposição, defendeu a proibição das doações políticas estrangeiras após a revelação de que o senador Sam Dastyari (também do Partido Trabalhista) havia pedido a uma companhia chinesa, dirigida por um empresário ligado ao governo chinês, para cobrir uma despesa sua de viagem de cerca de US$1.250.

    Dastyari havia falado em uma série de conferências realizadas pelos chineses e supostamente se posicionava em desacordo com a política do governo australiano, bem como com a política de seu próprio partido, no que diz respeito à disputa no Mar do Sul da China. O primeiro-ministro Malcolm Turnbull acusou o senador de aceitar dinheiro para apoiar as reivindicações territoriais de Pequim na região.


    Mais:

    Moscou se junta a Pequim em jogos de guerra no Mar do Sul da China
    Filipinas alarmadas com possibilidade de a China invadir uma ilha no mar do Sul da China
    Filipinas ameaçam 'confronto sangrento' com Pequim no Mar do Sul da China
    Mar do Sul da China : Pequim adverte Japão e EUA para não ultrapassarem 'linha vermelha'
    Tags:
    dinheiro estrangeiro, disputa, influência, política, doações, Sam Dastyari, Mar do Sul da China, EUA, China, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik