Rússia e China unem forças para assegurar liberdade de navegação no mar do Sul da China

© AP Photo / Zha Chunming/XinhuaMinistério da Defesa da Rússia informa que navios da Frota do Pacífico russa chegaram à China para participar nos exercícios navais "Interação Naval 2016"
Ministério da Defesa da Rússia informa que navios da Frota do Pacífico russa chegaram à China para participar nos exercícios navais Interação Naval 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Exercícios navais da Rússia e China no mar do Sul da China ‘Interação Naval 2016’ se destinam a proteger o equilíbrio de forças na região face à crescente atividade dos EUA.

Na segunda-feira, a Rússia e a China lançaram os exercícios navais conjuntos "Interação Naval 2016", que envolverão dois submarinos, 13 navios de superfície, 20 aviões e helicópteros, mais de 250 fuzileiros navais, bem como 12 veículos blindados e veículos blindados anfíbios do Exército de Libertação Popular da China e da Frota do Pacífico russa.

Embarcações da Marinha russa durante exercícios Kavkaz 2016 - Sputnik Brasil
Moscou se junta a Pequim em jogos de guerra no Mar do Sul da China
Dmitriy Mosyakov, chefe do Centro para o Sudeste da Ásia, Austrália e Oceania do Instituto Russo de Estudos Orientais, disse ao jornal russo Vzglyad que países vizinhos, como Taiwan, Filipinas e Vietnã não deverão perceber os exercícios como uma ameaça, dadas as tentativas dos EUA para aumentar sua presença naval na região.

"Todos estes países entendem muito bem que a verdadeira razão para as manobras russo-chinesas é a crescente atividade da Marinha dos EUA na região. Por exemplo, o número de submarinos norte-americanos aumentou muito nos últimos tempos", disse Mosyakov.

Em Julho, o Tribunal Permanente de Haia decidiu a favor das Filipinas em sua disputa territorial com a China sobre o mar do Sul da China. Manila levou o caso a tribunal em 2013, com o apoio dos EUA. No entanto, a China se recusou a reconhecer a jurisdição do tribunal sobre a disputa, e em vez disso pediu negociações bilaterais entre as partes em litígio.

O capitão-de-mar-guerra Konstantin Sivkov, doutor em ciências militares, disse ao Vzglyad que, enquanto a Rússia não interfere na disputa regional, sua participação nos exercícios com a China se destina a demonstrar o apoio ao seu parceiro:

"Neste momento a China é o único país que precisa de tecnologias e matérias-primas russas e ao mesmo tempo tem a capacidade de apoiar a Rússia. O principal é que a China é um verdadeiro adversário capaz de concorrer com os EUA", disse Sivkov.

​Ministério da Defesa da Rússia informa que navios da Frota do Pacífico russa chegaram à China para participar nos exercícios navais "Interação Naval 2016"

Nos dias 12-19 de setembro, as marinhas dos dois países conduzirão operações de busca, salvamento e proteção, tais como a proteção de navios ancorados e a liberação de um navio capturado. As partes também praticarão lançamentos de mísseis e fogo de artilharia, simulando ataques a alvos navais. Na fase final dos exercícios, as forças armadas russas e chinesas realizarão um desembarque conjunto em uma ilha hipoteticamente capturada, usando paraquedistas e unidades de fuzileiros navais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала