10:11 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3213
    Nos siga no

    Apesar de obter independência em 1966, o país caribenho tem sido governado desde então pela rainha Elizabeth, do Reino Unido, sendo agora esperado que em 30 de novembro Sandra Mason se torne presidente.

    Barbados deixará de ser governado pela coroa britânica e se tornará uma república parlamentar, anunciou na quarta-feira (29) Mia Motley, primeira-ministra do país, enquanto falava no Parlamento.

    Motley disse que o governo e a oposição concordaram que a candidatura ao cargo de primeiro presidente da futura república seja assumido por Sandra Mason, governadora-geral da ilha, em 30 de novembro, sendo necessário um voto de dois terços em ambas as câmaras legislativas para sua aprovação.

    "Nós aceitamos a honra e a dignidade de receber a oportunidade de poder ter um papel na nomeação e posterior eleição da primeira presidente de Barbados, e acreditamos que não há pessoa mais adequada para ser nomeada do que Sua Excelência", sublinhou a primeira-ministra.

    O Parlamento de Barbados apoiou na terça-feira (28) unanimemente emendas à Constituição do país para permitir a independência da coroa britânica. A transição para uma república parlamentar terminará quando a presidente tomar posse. Depois disso, o país adotará uma nova lei fundamental.

    Barbados é uma nação insular no Caribe oriental que ganhou a independência em 1966, mas a monarca britânica continuava como chefe de Estado do país desde então.

    Após a mudança restarão 15 ex-colônias do Reino Unido com a rainha Elizabeth II como monarca, incluindo a Jamaica, que também está planejando adquirir independência plena.

    Mais:

    Termina o período de transição nas relações UE-Reino Unido e acordo pós-Brexit entra em vigor
    Em isolamento no Castelo de Windsor, Elizabeth II faz tradicional pronunciamento de Natal (VÍDEO)
    Príncipe Harry encontra líderes africanos em Londres
    Tags:
    Barbados, Reino Unido, Elizabeth II, Caribe
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar