02:37 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4233
    Nos siga no

    O México processou vários fabricantes de armas em um tribunal federal dos EUA nesta quarta-feira (4), acusando-os de práticas comerciais imprudentes que fazem com que grandes quantidades de armas cheguem aos cartéis de drogas mexicanos.

    A ação judicial apresentada alega que as empresas Smith & Wesson, Barrett Firearms, Colt's Manufacturing Company, Glock Inc, Sturm, Ruger & Co e outras sabiam que suas práticas de marketing, distribuição e venda favorecem o tráfico ilegal de armas para o México, segundo Reuters.

    O México acusou no total 11 fabricantes de armamento de ajudar a violar as leis estritas de controle de armas ao comercializar para o mundo criminal mexicano e assim "facilitar ativamente o tráfico ilegal de suas armas para os cartéis de drogas".

    "Qual é o objetivo da ação judicial? Que as empresas em questão compensem o governo do México pelos danos causados por suas práticas negligentes", declarou o chanceler mexicano Marcelo Ebrard na coletiva sobre a demanda apresentada ao Tribunal Distrital dos EUA do Distrito de Massachusetts.

    As autoridades mexicanas afirmaram ter passado dois anos analisando os precedentes legais de negligência dos fabricantes de armamento norte-americanos. Mais de 500 mil armas são traficadas cada ano dos EUA para o México, das quais mais de 68% (340.000) são fabricadas pelas empresas em questão.

    Segundo as estimativas oficiais, o armamento traficado foi a causa de pelo menos 17 mil assassinatos em 2019. Os danos à economia causados pela violência representam cerca de 1,7% do produto interno bruto do país.

    As autoridades mexicanas disseram estar cientes de que o processo judicial demorará tempo para ser resolvido, mas estão confiantes no sucesso, observando que a ação foi apresentada nos Estados Unidos para garantir a imparcialidade.

    Mais:

    'Golpe de estilo boliviano' foi impedido no país, diz presidente do parlamento da Nicarágua
    Governo da Colômbia convoca embaixador na Nicarágua para consultas por 'atos de violação' em Manágua
    Cuba condena sanções dos EUA e as classifica de 'justificação' para continuar bloqueio ao país
    Caracas retruca 'sicário-geral' da OEA, que apontou 'crimes contra a humanidade' na Venezuela
    Tags:
    EUA, Estados Unidos, México, tribunal, drogas, tráfico de drogas, armamento, armas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar