05:45 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 22
    Nos siga no

    Fidel Narvaez, ex-cônsul do Equador e principal contato de Julian Assange durante seu refúgio na embaixada equatoriana no Reino Unido, contou à Sputnik que teme que o fundador do portal WikiLeaks nunca venha a celebrar seu aniversário em liberdade.

    Assange está prestes a celebrar seu 50º aniversário neste sábado (3) em uma prisão britânica. Vários apoiadores têm falado sobre organizarem manifestações a favor de sua libertação, uma vez que ele poderá enfrentar 175 anos de confinamento solitário, caso seja extraditado para os EUA. 

    "Há exatamente dez anos foi o 40º aniversário de Julian Assange. Ele tem passado dez aniversários trancado ou na minha embaixada ou em uma prisão de alta segurança. O provável é que ele nunca venha a celebrar seu aniversário em liberdade de novo, caso seja extraditado, o que seria um jeito horrível de celebrar seu 50º aniversário," comentou Narvaez.

    O ex-cônsul tem certeza que Assange, atualmente detido na prisão de alta segurança de Belmarsh desde 2019, é, de fato, um prisioneiro político.

    "A demora para encerrar este processo vergonhoso é muito preocupante, pois cada dia que passa é um dia de risco para a saúde e para a vida de Julian, e mais um dia de prisão injusta de quem não cumpre pena e não deve nada à justiça. Um prisioneiro político em todos os sentidos da palavra", disse Narvaez.

    Conforme conta o diplomata, o caso do fundador do WikiLeaks não depende de uma certa administração ou partido dos EUA, mas dos círculos militares do país que, segundo suas palavras, se querem vingar de Assange por este ter compartilhado com o mundo informação secreta.

    "Nos EUA é indiferente quem está no poder, porque o verdadeiro poder não está na Casa Branca, mas no complexo militar-industrial que busca vingança de Julian, porque foi ele quem mais os [EUA] humilhou ao revelar seus crimes de guerra" afirmou Narvaez, acabando por mencionar que nunca pensou que todo esse processo fosse durar mais de uma década. 

    Washington tem tentado deter Assange desde que este publicou milhares de ficheiros secretos com informação classificada sobre as operações militares dos EUA no Afeganistão e no Iraque. 

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Nomeiam nos EUA região onde pode irromper grande combate entre superpotências
    Secretário de Saúde do Reino Unido se demite após romance em meio a regras de distanciamento social
    Maduro acusa chefe do Comando Sul e CIA dos EUA de conspirar contra Venezuela
    Tags:
    crimes de guerra, WikiLeaks, extradição, prisão de Julian Assange, Julian Assange, Equador, Reino Unido, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar