11:40 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3120
    Nos siga no

    Só no Canadá, estima-se que morreram 165 pessoas por dia, entre 25 e 30 de junho. Até agora, pelo menos 99 pessoas já foram vítimas da onda de calor no noroeste dos EUA. Incêndios florestais causam prejuízos em pequenos povoados.

    As altas temperaturas do verão no Hemisfério norte já fizeram centenas de vítimas somente na última semana de junho. Até agora pelo menos 585 pessoas morreram em consequência da histórica onda de calor que assola o continente.

    Os governos dos Estados Unidos e do Canadá começaram a instalar pontos onde as pessoas possam se refrescar. Nos EUA, para tentar evitar mais mortes, nove bibliotecas com ar-condicionado foram convertidas em centros de convivência para que cerca de 7.600 pessoas. Equipes de serviço social distribuem garrafas de água para desabrigados.

    Consequências nos EUA

    Só no estado de Washington foram mais de 20 mortos e o número pode crescer. No estado de Oregon, 79 pessoas foram vítimas fatais do calor, a maioria no condado de Multnomah, dentre elas, um idoso de 97 anos não resistiu às elevadas temperaturas, de acordo com o legista do estado.

    Em algumas cidades, como Seattle, os termômetros chegaram a 46 graus. "Ligamos para pedir aos gerentes de edifícios residenciais de baixa renda que verificassem seus residentes", conta Jennifer Vines, diretora de saúde do condado.

    Centenas de pessoas se refrescam em piscinas públicas durante onda de calor sem precedentes em Oregon, nos EUA, 27 de junho de 2021
    © REUTERS / Maranie Staab
    Centenas de pessoas se refrescam em piscinas públicas durante onda de calor sem precedentes em Oregon, nos EUA, 27 de junho de 2021

    Fatalidades no Canadá

    A legista da Colúmbia Britânica, Lisa Lapointe, aponta que pelo menos 486 mortes ocorreram "repentinamente e imprevistas" entre 25 e 30 de junho. Os números não são exatos e as autoridades reconhecem que é muito cedo para dizer com certeza quantas pessoas foram vítimas das altas temperaturas. O número de mortos na área afetada pela onda de calor durante a última semana de junho aumentou 195%.

    A cidade de Lytton, também na Colúmbia Britânica, foi devastada por um incêndio florestal após três dias com altas nos termômetros. Precisamente esta cidade quebrou o recorde de temperatura mais alta três vezes desde que há registros no Canadá.

    Por conta dos danos, no dia 25, o prefeito da cidade ordenou a evacuação de seus 250 habitantes. Imagens impressionantes mostram moradores tentando sair da cidade em seus carros enquanto o fogo consome tudo rapidamente, inclusive casas. Muitos foram forçados a abandonar seus pertences, incluindo seus animais de estimação.

    Aqui está o vídeo de pessoas escapando de Lytton enquanto o fogo atinge a vila, postado pela Sociedade 2 Rios Remix. A destruição e a tragédia são insondáveis.

    Uma onda de calor incomum

    A onda de calor é grave não apenas por causa do número de mortos, mas também porque o clima na costa noroeste dos EUA já é temperado. Segundo o Serviço Meteorológico Nacional dos Estados Unidos, o calor é causado por dois sistemas de alta pressão. De um lado, um nas ilhas Aleutas, no Alasca, e outro nas baías James e Hudson, no Canadá.

    Trata-se de uma cúpula de calor que ocorre a cada 10 ou 30 anos, mas é agravada pela mudança climática provocada pelo homem, disseram os meteorologistas do órgão.

    Se você quiser ter uma ideia de como os incêndios em Lytton e Kamloops cresceram rapidamente, aqui estão as últimas 12 horas de imagens de satélite no sul da Colúmbia Britânica.

    Mais:

    Estados norte-americanos estão interessados na infraestrutura russa para baixas temperaturas
    Mais de 90% do oeste dos EUA está sob ameaça de seca histórica com temperatura quebrando recorde
    Calor mortal nos EUA: residentes do Oregon tentam se salvar de temperaturas anormais
    Tags:
    calor, onda de calor, América do Norte, Canadá, EUA, Meteorologia, verão, mortes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar