03:21 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    233
    Nos siga no

    Vários membros das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) escreveram um comunicado reconhecendo e lamentando os crimes cometidos durante sequestros que realizaram.

    O Secretariado da antiga guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) aceitou a responsabilidade por crimes contra a humanidade e crimes de guerra como resultado dos sequestros que eles perpetraram durante vários anos de conflito armado e que lhes foram imputados em 28 de janeiro de 2021 pela Jurisdição Especial para a Paz (JEP) da Colômbia.

    "O documento que apresentamos hoje [30] perante a Câmara de Reconhecimento da Verdade e Responsabilidade da JEP contém a reafirmação de nosso reconhecimento da responsabilidade pelos sequestros cometidos pelas FARC-EP durante o conflito armado. Este reconhecimento inclui a aceitação dos fatos e comportamentos descritos no auto", disseram os ex-FARC em uma declaração de sexta-feira (30).

    ​Este reconhecimento inclui a aceitação dos fatos e condutas descritos no auto. Como temos afirmado repetidamente, as políticas de sequestro que praticamos são injustificáveis.

    A coletiva de imprensa virtual integrou o ex-guerrilheiro Julián Gallo, conhecido como Carlos Antonio Lozada e atual senador do partido de esquerda Comunes (ex-FARC), e José Lisandro Lascarro, conhecido como Pastor Alape.

    Outros ex-guerrilheiros das FARC que aceitaram sua responsabilidade são: Rodrigo Londoño, líder máximo de Comunes e conhecido como Timochenko, o senador Jorge Torres Victoria, conhecido como Pablo Catatumbo, Milton de Jesús Toncel Redondo, conhecido como Joaquín Gómez, Ricardo González, conhecido como Rodrigo Granda, e Mauricio Jaramillo.

    Sequestros

    Os ex-guerrilheiros não esconderam seu arrependimento pelas ações que realizaram.

    "É importante especificar que nunca foi nossa intenção negar a dor e os danos causados ou a gravidade dos fatos. Por isso assumimos responsabilidade pelos sequestros ocorridos e pelo sofrimento injustificável infligido", indicam os ex-FARC no comunicado, em que reconhecem "que, apesar de ter sido proibido pela organização, ocorreram maus-tratos às pessoas sequestradas. Estas circunstâncias ocorreram no contexto das difíceis condições da guerra. Tais condutas nunca deveriam ter ocorrido", disseram.

    Carlos Ruiz Massieu, representante especial do secretário-geral das Nações Unidas (ONU) na Colômbia, valorizou o passo dado pelos ex-combatentes das FARC.

    Mais:

    FARC não cumprem metas do acordo de paz com o governo da Colômbia
    Enfrentamentos entre grupos armados deixam 11 mortos na Colômbia
    Soldados colombianos são mortos em ataque rebelde
    Tags:
    Jurisdição Especial para a Paz, Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, ONU, FARC, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar