14:54 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6012
    Nos siga no

    Nem todos os norte-americanos concordam com o veredito do julgamento de Derek Chauvin, que foi culpado pela morte de George Floyd nesta terça-feira (20).

    É o que aponta uma pesquisa conduzida nos Estados Unidos pela Ipsos, publicada nesta quarta-feira (21). Segundo a pesquisa, 71% dos entrevistados consideram Chauvin culpado pelo assassinato de George Floyd. Entre os apoiadores do Partido Democrata, 85% concordam com o veredito; entre os republicanos, 55% concordam.

    Por outro lado, 13% de todos os participantes afirmaram que Derek Chauvin "não é culpado" pelo assassinato. Entre os republicanos, 23% pensam desta maneira, enquanto 10% dos democratas pensam assim.

    De todos os entrevistados, 11% acreditam que a morte de Floyd "foi um acidente", enquanto 5% acreditam que o policial Chauvin "não fez nada de errado".

    A Ipsos revela ainda que 4% dos entrevistados pretendem se juntar a manifestações e protestos contra o veredito desta terça-feira (20).

    A pesquisa foi realizada na noite desta terça-feira (20), logo após o veredito judicial, e entrevistou 1.000 adultos de 18 a 65 anos dos Estados Unidos.

    Na terça-feira (20), um júri considerou o policial de Minneapolis Derek Chauvin culpado em todas as três acusações de homicídio: homicídio culposo; negligência ao assumir o risco consciente de causar a morte de Floyd; causar a morte, sem intenção, através de um ato perigoso, sem consideração pela vida humana.

    Mais:

    Ministério Público denuncia 6 pessoas pela morte de João Alberto em supermercado do Carrefour
    Polícia de Minneapolis, onde George Floyd foi morto, será desmantelada
    Homem é morto em Minneapolis 7 meses após assassinato de George Floyd
    Polícia de Los Angeles não estava pronta para violência após morte de George Floyd, aponta relatório
    Tags:
    julgamento, Polícia, assassinato, pesquisa, Estados Unidos, Black Lives Matter
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar