00:48 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    326
    Nos siga no

    Chas Freeman, ex-diplomata dos EUA, defende política de organização interna norte-americana antes de reforçar a política externa contra China. O assessor de Segurança Nacional, Jake Sullivan, tem visão semelhante.

    O ex-diplomata dos EUA, Chas Freeman, pediu a Washington que se concentrasse em fazer "reparos sérios" em casa para competir efetivamente com Pequim, enquanto o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, analisa a política norte-americana em relação à China em meio ao aumento de tensões.

    Chas Freeman, que também é acadêmico e foi intérprete de Richard Nixon durante sua viagem à China em 1972, disse que a renovação doméstica é fundamental para que os EUA possam competir com sucesso com a China. A visão de Freeman é reforçada pelo assessor de Segurança Nacional, Jake Sullivan, que disse que os EUA devem lidar com a desigualdade e a disfunção dentro de suas fronteiras antes de mais nada.

    Em um discurso on-line para o Instituto de Relações Exteriores de Washington neste mês, Freeman argumentou que os EUA precisavam evitar definir sua política para a China como uma luta contra o autoritarismo e se concentrar em renovar sua capacidade competitiva, de acordo com publicação do South China Morning Post.

    "O foco dos EUA tem sido atrapalhar a China, em vez de melhorar nossa própria competitividade internacional", afirmou, adicionando que "sem reparos sérios para restaurar uma economia política sólida dos Estados Unidos, nosso futuro está em perigo, e não vamos estar em condições de competir com grandes potências mundiais emergentes e ressurgentes, especialmente a China".

    Freeman, que também já foi secretário-assistente de Defesa dos EUA e diplomata em Pequim, disse que os EUA alienariam as nações parceiras se continuassem a definir sua relação com a China em termos de confronto, observando a resposta dos EUA à pandemia do coronavírus.

    Seus comentários foram feitos no momento em que o governo Biden sinalizou que continuaria com a política dura do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em relação à China. Mas que também adotaria uma abordagem mais multilateral, permitindo alguma cooperação em questões como a mudança climática, enquanto compete e confronta a China em questões como o comércio e as práticas de direitos humanos. A equipe de Biden também destacou a renovação doméstica dos EUA como a chave para sua competição com Pequim.

    Em Wilmington, nos Estados Unidos, o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, nomeado pelo então presidente eleito, Joe Biden (no fundo), fala durante sua apresentação, em 24 de novembro de 2020
    © AP Photo / Carolyn Kaster
    Em Wilmington, nos Estados Unidos, o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, nomeado pelo então presidente eleito, Joe Biden (no fundo), fala durante sua apresentação, em 24 de novembro de 2020

    O conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan declarou em um evento do Instituto da Paz dos EUA, em janeiro, que uma das melhores maneiras de reagir à China era abordar as próprias deficiências dos Estados Unidos.

    "O primeiro passo é restaurar as bases fundamentais de nossa democracia. Isso se aplica a tudo, desde nosso próprio sistema democrático a questões de desigualdade racial, a questões de desigualdade econômica, todas as coisas que contribuíram para o brilho do modelo americano", enfatizou.

    Durante seu discurso, Freeman também criticou a política externa do governo Trump, alegando que os EUA foram "consistentemente os iniciadores" do conflito com Pequim, sem uma estratégia de longo prazo para competir.

    Mais:

    Congressistas dos EUA reintroduzem projeto de lei para proteger Taiwan de 'ataques' da China
    China quer diálogo com os EUA e fim da política de sanções e tarifas, diz chanceler chinês
    China está criando sistema de treino 'nunca antes visto' em meio a ameaças e desafios globais
    Biden e Trudeau concordam em combater influência da China e modernizar o NORAD
    Tags:
    EUA, China, competição, diplomata, segurança nacional
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar