08:40 13 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    271
    Nos siga no

    Relatórios preliminares apontam que o presidente dos EUA, Joe Biden, indicará o veterano diplomata Timothy Lenderkin como seu enviado especial para o Iêmen e anunciará o fim do apoio às operações no país.

    Espera-se que Biden faça o anúncio em seu importante discurso sobre política externa no final do dia no Departamento de Estado, segundo disse o assessor de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, nesta quinta-feira (4).

    O Iêmen está envolvido em um conflito prolongado entre as forças do governo lideradas pelo presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi e os rebeldes houthis desde 2014.

    Homens armados patrulham cidade portuária de Aden, no Iêmen, 20 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Fawaz Salman
    Homens armados patrulham cidade portuária de Aden, no Iêmen, 20 de dezembro de 2020

    As Nações Unidas consideram a crise humanitária no Iêmen a pior do mundo, com mais de 80% da população, ou 24,1 milhões de pessoas, necessitando de assistência.

    O Departamento de Estado dos EUA iniciou anteriormente uma revisão da designação do movimento rebelde houthi como uma organização terrorista , medida realizada pelo governo de Donald Trump no início de janeiro.

    O fim do apoio dos EUA no conflito do Iêmen foi uma das promessas de campanha de Joe Biden. De acordo com o que publicou The Wall Street Journal, Biden escolherá Timothy Lenderkin para servir como seu enviado especial, o qual terá a tarefa de encorajar os lados em conflito a tomar medidas em direção a um cessar-fogo.

    Mais:

    Houthis anunciam ataque contra unidade de distribuição de petróleo na Arábia Saudita
    Mais uma explosão assusta moradores de Áden, no Iêmen (FOTOS)
    ONU alerta para repercussões na ajuda ao Iêmen, depois que EUA rotularam houthis de 'terroristas'
    Tags:
    apoio militar, conflito, crise, relações exterirores, governo, Iêmen, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar