04:17 06 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7185
    Nos siga no

    Joe Biden será formalmente empossado como 46º presidente dos EUA nesta quarta-feira (20). Contudo, será que a mídia lhe dará um mandato mais pacífico do que ao seu antecessor?

    Donald Trump vai sair da Casa Branca pela última vez sob um coro de decisão dos veículos de imprensa norte-americanos mais populares. No entanto, há várias questões que permanecem sem resposta quando se fala sobre os diferentes acompanhamentos de diversos acontecimentos, pelo que a questão principal deveria ser: será que a mídia americana é inerentemente mais favorável aos democratas?

    Enquanto a confiança dos republicanos na mídia afundou sob Trump, a confiança dos democratas aumentou – análise detalhada do que os últimos quatro anos fizeram com a liberdade e a confiança da mídia.

    Por que a mídia se mostrou mais compreensiva com a violência associada aos protestos do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) do que com a assim chamada "invasão ao Capitólio" de 6 de janeiro?

    Por que o presidente republicano George W. Bush foi mais criticado pelas políticas no Iraque e Afeganistão do que o seu predecessor democrata Barack Obama? Em 2008, Obama prometeu fechar a prisão de Guantánamo, mas saiu da presidência com a promessa pendente.

    Na verdade, por que a mídia norte-americana se centra mais nos erros e nas promessas não cumpridas pelos presidentes republicanos do que pelos democratas?

    ​Apenas mostrando – gráfico de favoritismo da mídia.

    Tomando em conta estes poucos de muitos exemplos, podemos afirmar que os veículos de imprensa norte-americanos são mais favoráveis aos democratas?

    Canais de televisão de notícias

    A CNN, que é um gigantesco canal de notícias que trabalha 24 horas por dia com sede em Atlanta, foi fundada por Ted Turner, que certa vez se descreveu como um "socialista de coração".

    Em 1996, a CNN foi vendida para Time Warner – agora Warner Media – e em 2018 foi comprada pela companhia AT&T por cerca de US$ 85 bilhões (aproximadamente R$ 451 bilhões). Porém, a AT&T não se intrometeu no caráter político da CNN, permanecendo profundamente liberal e pró-democrata.

    Os principais apresentadores do canal, Jake Tapper, Wolf Blitzer, Abby Phillip e Anderson Cooper nem mesmo fingiram esconder seu desprezo por Trump e sua admiração por Biden durante a campanha eleitoral de 2020.

    ​"Foi assim que aconteceu o ataque terrorista de 6 de janeiro. Milhões de americanos infectados pelo vírus da desinformação", diz Jake Tapper. "Até que aqueles que espalharam a grande mentira trabalham para corrigi-la [...] temo que os EUA continuem neste lugar ruim e perigoso." #CNNSOTU

    Outros canais, como o NBC e o MSNBC, que são propriedade da Comcast, são geralmente assistidos por um público liberal. Em 2014, uma pesquisa da Pew revelou que 48% dos seus espectadores eram "esquerdistas" e apenas 18% se consideravam "conservadores".

    Entre vários exemplos de preconceito contra Trump está uma falsa alegação feita por Nicolle Wallace, âncora do MSNBC, em 5 de agosto de 2019 – dois dias após Patrick Crusius, classificado supremacista branco, ter assassinado 23 pessoas em um tiroteio em massa em El Paso. A âncora do MSNBC chegou a afirmar que o presidente Trump estaria "falando sobre exterminar latinos".

    Já do lado republicano, também um dos grandes canais, o Fox News – propriedade da NewsCorp de Rupert Murdoch – apoia Donald Trump, tendo lhe fornecido um enorme suporte nas eleições presidenciais de 2016, mas, nos últimos dois a três anos, tem se tornado visivelmente mais distante e frio com o republicano.

    ​Com a direção do presidente Donald Trump, a Guarda Nacional está a caminho junto com outros serviços federais de proteção. Reiteramos o apelo do presidente Trump contra a violência e para permanecermos pacíficos.

    Deste modo, no que toca a canais de televisão, dá para concluir que a TV norte-americana tem uma direção mais pró-democrata.

    ​Eu assisto bastante à CNN, aprendi muito sobre a política dos EUA, mas é fortemente (às vezes desconfortavelmente) teimosa. Parece ser frequentemente acusadora, juíza e jurada. Não há muita tentativa de evitar preconceitos. Isso me faz valorizar nossas próprias reportagens no Reino Unido, mas o estilo americano está infiltrando o daqui.

    Sobre jornais e portais de notícias

    O jornal de maior circulação nos Estados Unidos é o The New York Post, também propriedade de Rupert Murdoch, que tem como alvos Trump e outras figuras de direita, como Ted Cruz, bem como políticos democratas.

    Durante a campanha eleitoral, o jornal The New York Post publicou uma história exclusiva sobre e-mails supostamente encontrados no laptop de Hunter Biden, filho do presidente eleito, mas o jornal está agora sendo processado por um dono de loja de conserto de computadores em Delaware que afirma ter sido erroneamente retratado como um hacker.

    O jornal The Atlantic, que é uma voz cada vez mais influente na mídia americana, foi comprado pela Emerson Collective, uma organização de "justiça social" dirigida pela viúva de Steve Jobs, Laurene que é, por sua vez, democrata.

    Contudo, o The New York Times, propriedade do bilionário Arthur Sulzberger, é provavelmente o jornal mais influente dos EUA.

    Em junho de 2019, Sulzberger escreveu um artigo no rival The Wall Street Journal no qual criticava Trump por "cruzar a linha" ao acusá-lo, em um tweet, de "traição" por causa de uma história sobre ataques cibernéticos na Rússia.

    Conclusão

    Considerando que os detentores da propriedade da grande mídia nos EUA provavelmente não mudarão nos próximos anos, e levando em consideração a inclinação de seus valores políticos, é provável que o governo de Biden tenha um mandato muito mais fácil do que o de Trump.

    Porém, os 74 milhões de cidadãos norte-americanos que votaram em Trump nas eleições de novembro já estão cientes do favoritismo democrata pela grande mídia, pelo que muitos deles já se desligaram da última.

    Mais:

    Agentes da Guarda Nacional dos EUA são afastados por supostos laços com extremismo
    Em memorial, Biden pede que mortos pela COVID-19 nos EUA não sejam esquecidos
    Macron pede maior envolvimento militar e em defesa dos EUA com administração Biden
    Tags:
    mídia, política, EUA, Joe Biden, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar