12:58 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    3140
    Nos siga no

    O Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, que desenvolve a Sputnik V, garantiu no dia 14 de dezembro que o imunizante alcançou eficácia contra o coronavírus de 91,4% em 22 mil voluntários.

    As primeiras doses da vacina russa Sputnik V contra o coronavírus devem chegar à Argentina na próxima quarta-feira, 23 de dezembro, conforme informações divulgadas pelo Clarín nesta quarta-feira (16).

    Na quinta-feira passada (10), ao anunciar a assinatura do acordo com a Rússia, o presidente Alberto Fernández havia antecipado que antes do final do ano chegariam 600 mil doses, com as quais 300 mil pessoas poderiam ser vacinadas.

    ​No entanto, nos últimos dias, as vozes que questionam essa afirmação aumentaram. O problema, além da logística, é que a vacina russa chega à Argentina sem o aval dos órgãos reguladores dos Estados Unidos (FDA) e da Comunidade Europeia (EMA). Para alguns parlamentares da oposição, é preciso mais discussão sobre este ponto.

    Por essa razão, funcionários da Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica (Anmat, na sigla em espanhol) viajaram à Rússia para avaliar a vacina.

    Normalmente, a agência leva de um ano a um ano e meio para aprovar um medicamento. Porém, diante da gravidade da situação no país, é provável que consiga uma autorização para seu pedido emergencial.

    Assistente de laboratório segura tubo com a vacina russa Sputnik-V contra a doença do coronavírus (COVID-19) no Instituto Nacional de Farmácia e Nutrição em Budapeste, Hungria, 19 de novembro de 2020
    © REUTERS / Matyas Borsos / Ministério das Relações Exteriores da Hungria / Handout
    Assistente de laboratório segurando tubo com vacina russa Sputnik V
    Os enviados visitaram o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya para a verificação técnica do estabelecimento e dos processos de fabricação utilizados nos produtos.

    O contrato assinado entre Rússia e Argentina prevê que, entre janeiro e fevereiro, cheguem mais 20 milhões de doses. Para março, o governo argentino acordou uma preferência para poder vacinar mais cinco milhões de pessoas.

    A posição oficial do governo argentino é que era importante fechar esta aquisição o quanto antes, porque as demais vacinas devem atrasar suas chegadas. Nesse sentido, o ministro da Saúde, Ginés González García, admitiu que ainda é imatura a possibilidade de se chegar a um acordo de compra com a Pfizer.

    "Na negociação nos pediram uma lei para ter alguma segurança, para dar essa imunidade, e depois apareceu na negociação que não era suficiente. Disseram que uma nova lei tinha que ser feita, e que o contrato não foi assinado por mim e pelo presidente. A rigor, são condições inaceitáveis", disse González García sobre a vacina desenvolvida pelo laboratório norte-americano.
    Possível vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com o laboratório Biontech.
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Possível vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com o laboratório Biontech.
    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Melhores fotos da semana em que Argentina, Brasil e resto do mundo se despedem de Maradona
    Manifestantes protestam contra projeto de legalização do aborto na Argentina
    Argentina detecta nova presença de nuvem de gafanhotos perto do Brasil (VÍDEO)
    Águas verdes: principal rio da Argentina muda de cor e assusta habitantes (FOTOS)
    Tags:
    Alberto Fernández, Vladimir Putin, Rússia, Rússia, Argentina, Sputnik V, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar