01:13 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2106
    Nos siga no

    Na quinta-feira (3), a empresa norte-americana Aevum apresentou seu veículo de lançamento autônomo Ravn X, projetado para enviar satélites ao espaço em intervalos menores que 2,5 horas e sem necessidade de plataforma de lançamento em terra.

    "A Aevum está empurrando a logística para a próxima geração com tecnologias de software e automação", afirmou Jay Skylus, fundador e CEO da Aevum.

    Segundo ele, a liderança dos EUA identificou a necessidade crítica de acesso extremamente rápido à órbita baixa da Terra e, por isso, a empresa, através de suas tecnologias autônomas, reduzirá o tempo de espera de lançamento de anos para meses.

    O lançamento autônomo, ao contrário do lançamento terrestre ou aéreo, envolve sistemas inteligentes não tripulados para fornecer cargas úteis de qualquer origem terrestre para qualquer destino espacial na órbita baixa da Terra.

    De acordo com Jay Skylus, o Ravn X pode colocar satélites no espaço a cada 2,5 horas, e é capaz de decolar como um avião comum de qualquer pista de pouso.

    A aeronave, que tem 24,3 metros de comprimento, uma envergadura de quase 18,3 metros, e 5,4 metros de altura, sendo a maior aeronave não tripulada do mundo em massa, pesando 25.000 quilos.

    Além disso, Skylus afirmou que após o drone atingir determinada localização e altitude, ele lança um foguete com carga de aproximadamente 100 quilos em direção à órbita baixa da Terra. Após entregar a carga, o drone pousa e estaciona automaticamente em um hangar.

    A Aevum pretende lançar sua primeira missão orbital em 2021.

    Mais:

    Marinha dos EUA está desenvolvendo minas para 'deter' drones nucleares russos Poseidon, diz mídia
    Drone 'reabastece' submarino nuclear dos EUA durante testes em alto-mar (VÍDEO)
    Força Aérea dos EUA compra drones chineses e causa preocupações de segurança
    Tags:
    satélite, espaço, veículo aéreo não tripulado, veículo autônomo, drone, eua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar