15:31 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 522
    Nos siga no

    As negociações com a Rússia sobre a extensão do Novo START estão paradas e, para pressionar Moscou, Washington ordena aos militares avaliação sobre reforço de ogivas nucleares.

    Como as negociações sobre a extensão do Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo START) entre os EUA e a Rússia permanecem em um impasse, o governo Trump pediu aos militares que avaliassem com que rapidez poderiam retirar armas nucleares do armazenamento e carregá-las em bombardeiros e submarinos se o tratado realmente expirar em fevereiro, revelaram três fontes ao portal Politico.

    O pedido ao Comando Estratégico dos EUA é parte de uma estratégia para pressionar Moscou a renegociar o Novo START antes das eleições presidencial dos EUA em 3 de novembro, garantiram as fontes.

    "É um sinal claro de que os custos por não negociar antes das eleições vão subir […] [Os EUA estão] tentando criar um incentivo, e é um incentivo real, para os russos se sentarem e realmente negociarem", afirmou uma das fontes à mídia.

    A avaliação determinará quanto tempo levaria para carregar armas nucleares agora guardadas em bombardeiros de longo alcance, submarinos de mísseis balísticos e silos baseados em terra para fortalecer a força nuclear dos EUA no caso de a Rússia aumentar seu arsenal.

    Em Viena, na Áustria, o enviado especial da Casa Branca para o controle de armas, Marshal Billingslea, fala em coletiva de imprensa ao lado do vice-chanceler da Rússia, Sergei Ryabkov, sobre controle de armas nucleares, em 23 de junho de 2020.
    © AP Photo / Ronald Zak
    Em Viena, na Áustria, o enviado especial da Casa Branca para o controle de armas, Marshal Billingslea, fala em coletiva de imprensa ao lado do vice-chanceler da Rússia, Sergei Ryabkov, sobre controle de armas nucleares, em 23 de junho de 2020.

    Aposta arriscada

    Ex-oficiais do controle de armas, militares e políticos consideram que a mudança pode ser uma jogada arriscada. Isso poderia enviar uma mensagem de que o governo Trump, que já cancelou dois outros tratados nucleares com a Rússia, não está mais interessado em quaisquer limites para os maiores arsenais do mundo. E pode incitar os russos a tomar medidas semelhantes.

    "É muito estúpido […]. Não faz absolutamente nenhum sentido ameaçar fazer essa escalada. Torna-se um ponto de alavancagem válido apenas se o outro lado não puder fazer isso. Os russos também podem fazer isso", comenta um ex-oficial de controle de armas do Partido Republicano que não quis ser identificado porque ainda assessora o governo Trump.

    "Mas o mais importante […], os sistemas que implantamos hoje são aqueles que acreditamos serem necessários para fornecer um impedimento adequado. Não há razão óbvia e todas as razões para não o fazer na ausência de uma mudança na ameaça. Isso não vai assustar os russos. A probabilidade de sucesso com os russos é quase nula", acrescenta a mesma fonte.

    O Novo START é o último acordo de controle de armas em vigor entre Moscou e Washington após o colapso do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário. Sob o acordo, que foi assinado em 2010, os EUA e a Rússia concordaram em reduzir o número de mísseis nucleares estratégicos pela metade e limitar o número de ogivas nucleares estratégicas a 1.550 cada. O tratado termina em 5 de fevereiro de 2021.

    Mais:

    Ernesto Araújo nega que visita de Pompeo a Roraima serviu de campanha eleitoral para Trump
    Trump diz que anúncio do resultado de eleições nos EUA pode levar meses
    Donald Trump anuncia Amy Barrett para Suprema Corte dos EUA
    Trump anuncia que estados vão receber 150 milhões de testes para COVID-19
    Tags:
    Tratado Start, Rússia, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar