04:32 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1131
    Nos siga no

    Segundo documentos publicados por uma mídia britânica e referidos pela chancelaria venezuelana, o Reino Unido realizou reuniões com o propósito de definir ações após um golpe de Estado contra Caracas.

    O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, denunciou o "propósito desestabilizador" de uma recente visita de altos funcionários britânicos a Caracas, cujo objetivo oficial era realizar reuniões na sua embaixada na capital venezuelana.

    O Reino Unido está mentindo. Eles nunca mencionaram uma Unidade de Reconstrução da Venezuela, nem teríamos permitido. Descobrimos através da The Canary (mídia inglesa). Eles disfarçaram o propósito desestabilizador de sua visita com falsas reuniões internas com sua embaixada (em Caracas).

    O ministro Arreaza entregou em 14 de maio uma nota de protesto a Duncan Hill, representante diplomático britânico em Caracas, em resposta ao apoio do Ministério das Relações Exteriores britânico a um "plano de reconstrução" da nação caribenha, que também foi assinado pelo deputado da oposição Juan Guaidó, após um artigo publicado pelo portal The Canary.

    No dia 13 de maio, o embaixador da Venezuela nas Nações Unidas, Samuel Moncada, acusou o governo britânico de cumplicidade com o presidente norte-americano Donald Trump para pressionar Caracas.

    Ele também se referiu a documentos oficiais do governo britânico revelando que o país estava trabalhando com os que assinaram o plano de assassinato do presidente Nicolás Maduro, plano que foi desmontado em 3 de maio.

    Nesse sentido, as autoridades venezuelanas pediram ao governo britânico que se dissociasse dos "planos golpistas de Washington e de qualquer iniciativa desestabilizadora".

    Os documentos publicados na mídia britânica também se referem a discussões entre líderes da oposição venezuelana e responsáveis do Reino Unido sobre propostas comerciais no caso de um golpe de Estado no país sul-americano.

    Mais:

    Chanceler da Venezuela rebate Araújo e diz que Bolsonaro comete genocídio no Brasil
    'Ato de pirataria moderna': Venezuela denuncia decisão dos EUA de vender ações da Citgo
    Chanceler venezuelano afirma que Colômbia é cúmplice em ações contra Caracas
    Tags:
    Juan Guaidó, Samuel Moncada, Caracas, Venezuela, Jorge Arreaza, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar