07:03 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    131
    Nos siga no

    O governo da Argentina voltou a prorrogar a quarentena social, preventiva e obrigatória no país.

    A medida, decretada no dia 20 de março, seguirá em vigor até o dia 28 de junho, com flexibilizações. O governo autorizou saídas noturnas para prática de caminhadas e participação em reuniões de até dez pessoas em algumas cidades.

    Segundo o presidente da Argentina, Alberto Fernández, algumas cidades do país passarão do isolamento, para uma fase de "distanciamento".

    "Podem circular, trabalhar e realizar suas atividades, desde que mantenham a distância de dois metros. Todas as atividades que reabrem devem ser reorganizadas para atender a essa regra. As empresas e indústrias devem garantir o distanciamento social", afirmou Fernández, citado pela Agência Brasil.

    As regras de isolamento variam nas diferentes regiões do país, de acordo com a situação epidemiológica. Buenos Aires continua sendo o epicentro da doença no país, por isso as regras mudarão pouco e a quarentena será mantida. Em 18 cidades, o isolamento dará lugar à livre circulação, sempre respeitando o distanciamento físico entre as pessoas.

    "Estamos dando um novo passo que ajuda a agilizar a economia e a retomar as atividades normais. Vamos continuar ajudando a população a lidar com esse momento. Ajudamos e seguiremos ajudando", disse o presidente.

    Os argentinos devem receber nos próximos dias o segundo pagamento do IFE (Ingresso Familiar de Emergência), que beneficiará nove milhões de pessoas. O governo também implementou o programa de Assistência ao Trabalho e à Produção (ATP), que beneficia pequenas e médias empresas, que consiste no pagamento de até 50% dos salários dos empregados de todas as empresas afetadas pela crise econômica decorrente da pandemia de COVID-19.

    Eventos públicos e privados, cinemas, teatros, clubes, centros culturais, atividades turísticas e transporte público interurbano continuarão proibidos, exceto o transporte para trabalhadores essenciais. Não há ainda previsão de retorno às aulas.

    O Ministério da Saúde da Argentina informou na quinta-feira (4) que, no período de 24 horas desde a quarta-feira (3), foram registradas 25 mortes e 929 novos casos positivos de coronavírus. O país registrou 20.197 casos confirmados e 608 mortes decorrentes do novo coronavírus.

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    Com mais 2 mortes por coronavírus, óbitos na Argentina desde início da epidemia chegam a 510
    Moro tem palestra cancelada na Argentina e critica 'intolerância' e 'polarização' no país
    Argentina prolonga quarentena em territórios mais atingidos por pandemia
    Tags:
    COVID-19, Alberto Fernández, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar