22:46 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4106
    Nos siga no

    A Venezuela criticou o governo brasileiro por determinar a saída de diplomatas venezuelanos que atuam no Brasil até sábado (2 de maio), e afirmou que eles não deixarão seus postos.

    Por meio do Twitter, o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, disse que o Brasil exerce "pressões indevidas" para "forçar a saída intempestiva da equipe diplomática e consular venezuelana".

    Além disso, o chanceler acusou o governo brasileiro de alegar "negociações" que "nunca foram realizadas" para justificar a retirada. 

    A Venezuela informa a comunidade internacional sobre a violação do direito internacional por parte do governo do Brasil, ao forçar a saída de nosso pessoal diplomático e consular antes do dia 2 de maio, alegando negociações que nunca foram realizadas

    Segundo o governo de Nicolás Maduro, com a medida, o presidente Jair Bolsonaro busca deixar desassistidos os cidadãos venezuelanos que vivem no Brasil durante pandemia da COVID-19. 

    "O governo do senhor Jair Bolsonaro pretende agora aumentar o descaso com a comunidade venezuelana no Brasil, com uma manobra que busca provocar o fechamento dos escritórios consulares da Venezuela nesse país, após ter abandonado seus próprios compatriotas com a retirada unilateral da equipe diplomática e consular do Brasil na Venezuela", afirma comunicado do governo venezuelano. 

    'Não abandonarão' seus cargos

    Além disso, o governo Maduro disse que seus representantes diplomáticos e consulares "não abandonarão" seus cargos "sob subterfúgios" alheios ao direito internacional, que têm como "único propósito enganar a opinião pública" dos brasileiros "para dissimular sua aberta subordinação ao governo estadunidense". 

    Na quarta-feira (29), o governo brasileiro, por meio de ofício do Itamaraty, informou a embaixada da Venezuela que seus diplomatas têm até 2 de maio para deixar o Brasil.

    Em março, o Brasil já havia determinado a saída de vários diplomatas e funcionários consulares da Venezuela.

    O governo Bolsonaro não reconhece Maduro como presidente legítimo e mantém relações com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó. Já o governo da Venezuela, por sua vez, acusa o Brasil de estar ao lado de Estados Unidos e Colômbia para desestabilizar o país e justificar uma invasão.

    Mais:

    Rússia enviará mais de 40 toneladas de material médico para a Venezuela destinado à COVID-19
    EUA travam guerra psicológica contra Venezuela para desmoralizar liderança e povo, diz especialista
    Arreaza acusa EUA de usarem Venezuela para abafar 'fracassos' americanos no combate à COVID-19
    Tags:
    Itamaraty, Jorge Arreaza, crise, diplomacia, diplomatas, governo, Nicolás Maduro, Jair Bolsonaro, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar