05:10 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    371
    Nos siga no

    Enquanto as horas finais de Hitler são objeto de especulações, o Gran Hotel Viena, próximo da cidade argentina de Córdoba, teria sido palco de encontro entre o genocida e o presidente Perón.

    Há mais de 70 anos após sua construção, o Gran Hotel Viena se tornou em um ponto turístico incomum no vilarejo argentino de Miramar, nas margens da lagoa de Mar Chiquita.

    Conforme publicou o portal Infobae, o local possui uma história misteriosa desde sua construção, bancada pela família alemã Palkhe, que eram acionistas de uma das maiores empresas fornecedoras de canhões para tanques alemães, a Mannesmann.

    Além disso, crê-se que os mais de 20 milhões de dólares usados para a construção do hotel teriam vindo direto dos cofres do Terceiro Reich. Enquanto isso, todos seus 70 funcionários eram alemães ou falavam a língua germânica, sendo que sua clientela era majoritariamente da Alemanha, Áustria ou croata.

    Sabe-se que nos anos da Segunda Guerra Mundial, o hotel tinha a suástica nazista gravada em sua louça.

    Em uma publicação no Twitter é possível ver o que sobrou do hotel.

    Hoje sigo publicando as fotos das ruínas do Gran Hotel Viena de Miramar, Córdoba.

    Também segundo o investigador do hotel, Fernando Soto Roland, a história do local coincide com eventos ligados à Alemanha.

    "De 1938 a 1943 se constrói [a parte] VIP, ou seja, essa é a época do poderio alemão, do Terceiro Reich. De 43 a 45 se constrói o setor de classe média junto com uma clínica, justamente o momento da batalha de Stalingrado, onde os nazistas já sabem que vão perder. Se comenta que nesta zona muitos oficiais nazistas foram alojados já no desfecho do seu poder", afirmou o investigador.

    Visitas de Hitler

    Embora a história oficial diga que Adolf Hitler se suicidou em 30 de abril de 1945 em Berlim, o fato de seu corpo nunca ter sido encontrado levantou suspeitas de historiadores e jornalistas sobre seu fim, assim como de muitos oficiais nazistas.

    Entre eles figura o jornalista argentino Jorge Camarasa, o qual explicitou em seu livro "Odessa al Sur. La Argentina como refugio de nazis y criminales de guerra" a fuga de membros do alto escalão alemão para o país sul-americano.

    Também o jornalista Abel Basti escreveu em seu livro "Tras los passos de Hitler" que o ditador teria fugido para o país.

    "Calcula-se que ao terminar a guerra, entre 1945 e 1955 – Juan Domingo Perón assumiu como presidente constitucional em 1946 – ingressaram legalmente na Argentina cerca de 80 mil alemães e austríacos [...] havia criminosos de guerra e fanáticos nazistas, que foram recebidos de braços abertos pelo governo de Buenos Aires", escreveu Basti.

    Além disso, segundo Basti, existem fortes versões sobre supostos encontros de Hitler e Perón durante os anos 40 no Gran Hotel Viena, enquanto, segundo um dos guarda-costas de Hitler, o ditador teria admirado o pôr do sol no hotel ao visitar o local.

    Os relatos também contam que Hitler visitou o hotel sob forte aparato de segurança.

    Hotel abandonado

    Hoje o Gran Hotel Viena já não atende mais seus clientes. Na década de 70, após forte inundação no vilarejo de Miramar, o local ficou parcialmente sob a água, após décadas de inaugurações e encerramentos de suas atividades.

    Mais:

    Bunker secreto de Hitler revela objetos escondidos durante décadas (VÍDEO)
    Por que Alemanha de Hitler nunca construiu bomba nuclear própria?
    Horta de Hitler é encontrada em ruínas de bunker secreto (FOTO, VÍDEO)
    Tags:
    fuga, hotel, Argentina, nazismo, Adolf Hitler
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar