05:33 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    362
    Nos siga no

    O líder boliviano deposto Evo Morales afirmou nesta terça-feira que planeja voltar ao seu país de origem antes do próximo Natal, depois de se exilar na vizinha Argentina após uma eleição controversa.

    Em entrevista concedida em Buenos Aires, onde Morales encontrou refúgio depois de se declarar vencedor do quarto mandato nas eleições de outubro, o ícone socialista sul-americano disse que está ajudando seu partido a se preparar para as próximas eleições.

    Membros de sua coalizão do Movimento pelo Socialismo (MAS) se reunirão em Buenos Aires neste domingo para começar a eleger seus candidatos. Quando perguntado sobre seus próprios planos e se ele retornaria à Bolívia para o próximo ano, Morales declarou que não havia dúvida sobre isso.

    "Por razões de segurança, não posso detalhar todo o plano que temos para retornar à Bolívia. Você tem que voltar ao seu país e não consegue entender. O governo de fato não é transitório", destacou ele à Agência Reuters.

    "Se fosse uma transição, não começaria a mudar políticas econômicas, programas sociais, apenas garante [deveria apenas garantir] eleições", acrescentou.

    O ex-presidente disse ter certeza de que sua coalizão recuperará a presidência. A vitória de Morales nas eleições de outubro foi questionada devido a irregularidades detectadas pelos auditores internacionais.

    Presidenta autoproclamada da Bolívia, Jeanine Áñez, sorri durante cerimônia de posse de seu gabinete de ministros, em 13 de novembro de 2019, após golpe de Estado na Bolívia
    © AP Photo / Juan Karita
    Presidenta autoproclamada da Bolívia, Jeanine Áñez, sorri durante cerimônia de posse de seu gabinete de ministros, em 13 de novembro de 2019, após golpe de Estado na Bolívia

    O escândalo causou tumultos que causaram dezenas de mortes e obrigou Morales a renunciar e deixar a Bolívia em meados de novembro para receber asilo no México, no que ele considerou um golpe de Estado.

    O líder indígena negou ter agido mal e afirmou que seu único arrependimento era não ter uma inteligência precoce sobre o que considera o golpe que o derrubou.

    "Lamento muito que nem a inteligência da polícia boliviana, nem as Forças Armadas tenham nos avisado como haviam se preparado para o golpe", explicou.

    Os legisladores nomearam um tribunal eleitoral que deverá definir novas eleições em 2 de janeiro dentro de 120 dias.

    Enquanto isso, os promotores emitiram um mandado de prisão contra Morales por sedição, terrorismo e financiamento do terrorismo, promovido pelo governo da presidente interina Jeanine Áñez, ex-senadora e oponente de Morales.

    Evo descartou concorrer como candidato e nomeou Luis Arce Catacora, seu ex-ministro da Economia, e Andrónico Rodríguez, chefe-chave do Sindicato dos Plantadores de Coca, como possíveis candidatos à presidência pelo MAS.

    Mais:

    Argentina não entregará Evo Morales à Bolívia, segundo mídia
    Governo de fato da Bolívia se junta a Grupo de Lima para 'solucionar crise na Venezuela'
    México demonstra preocupação com monitoramento de sua embaixada na Bolívia
    Tags:
    golpe de Estado, renúncia, diplomacia, asilo político, eleições, Evo Morales, México, Argentina, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar