12:34 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Um míssil nuclear ICBM Titan II desativado é visto em um silo no Missile Museum Titan. 12 de maio, 2015, Green Valley, Arizona

    Fechado nos EUA, complexo de mísseis nucleares está à venda por US$ 395 mil

    © AFP 2019 / BRENDAN SMIALOWSKI
    Américas
    URL curta
    6136
    Nos siga no

    Um complexo de mísseis estratégicos desmantelado está à venda no deserto do Arizona, nos EUA, por US$ 395.000 (R$ 1,6 milhão).

    Segundo o jornal Arizona Daily Star, está à venda a propriedade que abrigou o míssil balístico intercontinental LGM-25C Titan II, o míssil mais potente dos EUA, que podia portar uma ogiva de 9 megatons, o que é 560 vezes mais potente do que a bomba que destruiu Hiroshima.

    O complexo albergou o LGM-25C Titan II entre as décadas de 1960 e 1980.

    Todo o território compreende uns 50.000 metros quadrados. A construção inclui um silo de quase 45 metros de profundidade e vários corredores e salas subterrâneos.

    O bunker, que possui um revestimento de concreto de 1,2 metro de largura, pode sobreviver a uma explosão nuclear assim como a uma onda eletromagnética que pode interferir no funcionamento de dispositivos eletrônicos.

    Atualmente, não há eletricidade na estação, e só dá para descer o bunker por uma escada de 12 metros de altura. Todos os visitantes devem assinar uma declaração de isenção de reponsabilidade para entrar.

    O atual proprietário do complexo, Rick Ellis, quer vendê-lo por estar "entediado". Em 2002, Ellis comprou o complexo por US$ 200 mil (R$ 835.109) e sua ideia inicial era converter o complexo em um centro de armazenamento de dados, mas a chegada da crise econômica de 2008 impediu a conclusão do projeto.

    Mais:

    Venda de artigos nazistas em leilão na Alemanha pode ser cancelada (FOTOS)
    Militares estadunidenses 'ameaçam' com bombardeiro B-2 invasores da Área 51
    Altamente secreto: como União Soviética criou míssil de cruzeiro único no mundo
    Tags:
    sistema de mísseis, EUA, mísseis balísticos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar