19:54 17 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro faz discurso no Rio Grande do Sul

    Fala de Bolsonaro sobre Argentina não é 'habitual ou desejável', diz ex-embaixador em Buenos Aires

    © Foto / José Dias/PR
    Américas
    URL curta
    4200
    Nos siga no

    As recentes incursões de autoridades brasileiras na política interna da Argentina foram classificadas como um "excesso retórico" pelo ex-embaixador brasileiro em Buenos Aires Marcos de Azambuja.

    Após o peronista Alberto Fernández vencer as prévias das eleições presidenciais, Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que "se essa esquerdalha voltar aqui na Argentina", o Rio Grande do Sul poderia enfrentar uma fuga de argentinos nos moldes da crise de refugiados venezuelanos que vivem em Roraima. 

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi na mesma linha e disse que o Brasil pode deixar o Mercosul em caso de vitória da oposição ao presidente Mauricio Macri. 

    "O Mercosul, claro, é um veículo de inserção do Brasil no comércio internacional. Mas, se a [Cristina] Kirchner quiser entrar e fechar a economia deles? Se quiser fechar a gente sai do Mercosul. Se ela quiser ficar aberta? Beleza, continuamos. O Brasil é uma economia continental", disse Guedes.

    Kirchner foi presidente da Argentina de 2007 e 2015 e é a vice na chapa de Fernández. 

    "Os presidentes têm preferenciais eleitorais, todos nós temos, gostaríamos que A ou B fosse eleito. Mas não é da tradição diplomática que você assuma posições que, de certa maneira, possam fazer parecer que você está intervindo na política interna de outro", analisa o ex-embaixador Azambuja em entrevista à Sputnik Brasil.

    Além de representar a diplomacia brasileira em Buenos Aires de 1992 a 1997, Azambuja também foi embaixador na França e secretário-geral do Itamaraty. Ele diz que a fala de Bolsonaro é um "resíduo da campanha eleitoral" e que ela não é "habitual ou desejável".

    © AP Photo / Gustavo Garello
    Bolsonaro e Macri durante cúpula do Mercosul.

    "A Argentina não vai fechar a economia porque não é um país insensato a esse ponto. A ideia de fazer esse tipo de linguagem não é útil", diz o ex-embaixador. "Nada é mais poderoso que o impacto da realidade. O presidente da Argentina e do Brasil estão condenados a se entender."

    Fernández afirmou que o Mercosul é "central" para a Argentina e que o Brasíl é o "principal parceiro" de Buenos Aires.

    A doutorando em relações internacionais Bárbara Neves também ressalta que a postura brasileira de criticar um possível "fechamento" da economia argentina é inconsistente porque ela já está integrada na região e a sinergia com os vizinhos é necessária para superar a crise que enfrenta.

    "Não há um entendimento do governo brasileiro do que significa o cenário regional e as relações existentes entre Brasil e Argentina desde os anos 1980 com o então presidente José Sarney, é uma relação consolidada há muito tempo", diz Neves.

    Ela também pontua que uma possível saída do Mercosul não seria um processo simples e que vai "além das atribuições de Bolsonaro e Guedes" ao envolver setores econômicos que se beneficiam do bloco econômico. 

    O Brasil exportou US$ 8,91 bilhões para os países do Mercosul de janeiro a julho deste ano, no mesmo período as importações ficaram em US$ 7,58 bilhões. Os dados são do Ministério da Economia.

    Mais:

    Consultoria do Senado: indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada dos EUA seria nepotismo
    'Como ator pornô, dei mais certo do que Bolsonaro no Exército', diz Frota
    Bolsonaro diz que Exército vai trabalhar em meio expediente por falta de dinheiro no governo
    Bolsonaro defende soberania da Amazônia e pede que argentinos 'não retrocedam'
    Dinamarca entra para Top 5 do Twitter ao ter VÍDEO divulgado por Bolsonaro contra Noruega
    Bolsonaro vai a festa de peão e defende rodeios: 'não existe politicamente correto'
    Candidato argentino à Presidência manda recado para Bolsonaro
    Tags:
    Mercosul, Brasil, Argentina, Mauricio Macri, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar