08:10 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump, e assessor de Segurança Nacional, John Bolton, na cúpula da OTAN em Bruxelas

    Casa Branca dividida? Mídia informa sobre crise no governo Trump por causa de Caracas

    © Sputnik / Aleksei Vitvitsky
    Américas
    URL curta
    6171

    Uma recente publicação do jornal The Hill afirma que os eventos na Venezuela foram um desafio para a administração do presidente dos EUA, Donald Trump.

    Segundo o artigo, o líder dos EUA e seu assessor de Segurança Nacional, John Bolton, desenvolveram uma relação tensa devido a divergências de opinião sobre uma possível intervenção militar na Venezuela.

    Apesar das declarações do presidente americano de que Washington considera todas as opções para resolver a crise, Trump prefere evitar o agravamento dos conflitos militares existentes ou dar início a novos.

    O autor da matéria cita o exemplo em que  Trump afirmou que a influência dos EUA sobre a formação de instituições de Estados estrangeiros acabou, pedindo o fim da guerra no Afeganistão e a retirada das tropas da Síria. Em contrapartida, Bolton tenta persuadir o líder do país a usar a força.

    Para Paul Pozner, especialista em assuntos venezuelanos da Universidade Clark (EUA), Trump prefere aderir a uma posição que fortaleça sua posição nos EUA, e a interferência na Venezuela terá um impacto negativo sobre ela.

    "A administração está muito dividida. Trump gosta da retórica de Bolton, mas acho que ele não está interessado em intervir na Venezuela", afirma Pozner.

    Caso a posição do assessor não coincida com a decisão do presidente, ele [Bolton] não apoiará a inação dos Estados Unidos na crise venezuelana e encontrará razões para uma invasão militar. Nesse caso, de acordo com Pozner, Trump vai recuar e a intervenção terá lugar.

    No dia 30 de abril, o líder da oposição Juan Guaidó, juntamente com seus apoiadores, tentou um golpe de Estado na Venezuela, mas falhou e deu-se início a um processo de investigação.

    A crise no país caribenho vem piorando desde janeiro, quando o deputado da oposição se autodeclarou presidente interino da Venezuela, sendo apoiado pelos EUA e vários países, enquanto o atual presidente venezuelano, Nicolás Maduro, é apoiado pela Rússia, China, Turquia, Cuba e outros Estados. 

    Mais:

    Chanceler russo: tentativas de derrubar governo da Venezuela podem provocar catástrofe
    Senador russo: intervenção militar dos EUA na Venezuela será considerada 'agressão'
    Maduro: caso EUA ataquem Venezuela, militares devem estar prontos para defendê-la
    Tags:
    crise na venezuela, John Bolton, Donald Trump, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar