00:47 26 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Apoiadores pró-governo segurando a bandeira da Venezuela em protesto contra o presidente dos EUA, Donald Trump, em Caracas, 14 de agosto de 2017

    Moscou: nervosismo dos EUA em relação à Venezuela se deve à falha na mudança do poder

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Américas
    URL curta
    11393

    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, comentou neste sábado (30) as ameaças dos EUA de impor sanções contra a Rússia pela sua cooperação com a Venezuela.

    "As tentativas de intimidar o lado russo com sanções pela legítima cooperação com a Venezuela são ridículas. Com diferentes pretextos, Washington as introduziu por tantas vezes que Moscou já perdeu a conta e deixou de prestar atenção a elas", lê-se no comentário de Zakharova no site da chancelaria russa.

    Ela acrescentou que Moscou percebe o porquê do "nervosismo americano". 

    "A planejada mudança rápida de poder em Caracas falhou. Com seu excesso de confiança Washington acabou por 'encrencar' aqueles que na América Latina e na Europa Ocidental, logo a seguir a ele, se apressaram a reconhecer como líder da Venezuela um impostor que não foi eleito pelo povo. Desse jeito, eles privaram a si mesmos de espaço de manobra diplomático", indicou Zakharova.

    A representante oficial comentou também a presença dos militares russos no país sul-americano. Segundo ela, a Rússia expressou de forma clara o objetivo da visita à Venezuela dos especialistas militares.

    "Não se trata de nenhuns 'contingentes militares'. Portanto, as suposições em relação à realização de quaisquer 'operações militares' da Rússia na Venezuela são completamente infundadas", declarou Zakharova.

    A diplomata acrescentou que "Washington julga por eles mesmos, tentando atribuir a Moscou os planos que eles próprios elaboram em relação a este país".

    "Mais uma vez é afirmando altivamente que eles têm 'todas as opções na mesa'. Nessa conexão, seria bom saber, por exemplo, o que fazem os numerosos soldados americanos na Colômbia, país vizinho da Venezuela? E por que, de repente, a Casa Branca começou a convidar outro seu vizinho, Brasil, para a OTAN, violando o estatuto e até a denominação do bloco do Atlântico Norte?", acrescentou.

    Em 21 de janeiro, na Venezuela começaram protestos em massa contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, logo depois de ele assumir o segundo mandato presidencial. Em 23 de janeiro o líder da oposição do país, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino do país, tendo sido apoiado pelo Brasil, EUA e vários outros países. Maduro recebeu o apoio de tais países como a Rússia, México, China, Turquia, Indonésia e outros.

    Mais:

    Rússia abre centro de treinamento para helicópteros na Venezuela
    Que papel desempenha Brasil na prevenção do conflito militar na Venezuela?
    Bolton: EUA considerarão instalação de forças estrangeiras na Venezuela como ameaça à paz
    Tags:
    mudança de governo, militares russos, sanções, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, OTAN, Maria Zakharova, Colômbia, Venezuela, EUA, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar