10:41 22 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Militares venezuelanos na fronteira com a Colômbiaё

    Caminhões de ajuda humanitária se dirigem à fronteira da Colômbia com Venezuela

    © AP Photo / Rodrigo Abd
    Américas
    URL curta
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    15214

    Diversos caminhões com ajuda humanitária estão na tarde deste sábado (23) na cidade Cúcuta, na Colômbia, partindo em direção à Venezuela pela chamada Puente de la Unidad, que une os dois países.

    Antes do anúncio da saída dos caminhões, o autoproclamado presidente Juan Guaidó, deu uma entrevista coletiva em que garantiu que a ajuda humanitária será entregue aos venezuelanos.

    "A ajuda humanitária vai seguir de forma pacífica e tranquila para a Venezuela", afirmou Guaidó aos jornalistas.

    O autoproclamado presidente aproveitou o pronunciamento para agradecer aos militares que desertaram a Guarda Nacional e cruzaram a fronteira com a Venezuela.

    "Aos militares que estão do lado certo da história, a anistia e as garantias são um fato a esses militares que estão dispostos a ficar do lado certo da Constituição", disse.

    Guaidó estava ao lado do presidente da Colômbia, Ivan Duque, que também fez um pronunciamento criticando o governo de Nicolás Maduro.

    "Foi entregue ajuda humanitária ao seu presidente interino Guaidó e exigimos que seja permitida a entrada dessa ajuda no território venezuelano", anunciou.

    Duque disse que não permitir a entrada dessa ajuda representa "uma violação aos direitos humanos".

    "Impedir que isso [a entrega de ajuda humanitária] aconteça é um atentado aos direitos humanos e crime de lesa humanidade", afirmou Duque.

    Desde a noite de quinta-feira (21) as fronteiras da Venezuela com a Colômbia e o Brasil estão fechadas por determinação do governo do presidente Nicolás Maduro para impedir que caminhões de ajuda humanitária cheguem ao país.

    Tema:
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar