02:42 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Nobre Santuário ou Monte do Templo, na Cidade Velha de Jerusalém

    Flórida proclama que Jerusalém é 'a capital eterna e indivisível de Israel'

    © REUTERS / Eliana Aponte/File Photo
    Américas
    URL curta
    131213

    Os EUA anunciaram a transferência de sua embaixada em Israel de Tel Aviv a Jerusalém em dezembro de 2017, reconhecendo a cidade como a capital da nação judaica. Aproveitando o ensejo, o estado americano da Flórida também reconheceu Jerusalém como a capital de Israel. Mas por quê?

    O governo da Flórida aprovou uma resolução, originalmente proposta pelo diretor financeiro do estado, Jimmy Patronis, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. Em comparação com a decisão dos EUA tomada em dezembro de 2017, a Flórida reconheceu as reivindicações de Israel em toda a cidade.

    "A Flórida proclama Jerusalém como a capital eterna e indivisível de Israel", diz a resolução.

    "Nós deixamos claro que estamos com nosso aliado mais próximo no Oriente Médio. Eu também acredito que devemos ser fortes com nosso amigo, parceiro e aliado", declarou Patronis em uma reunião de gabinete em Tallahassee, capital da Flórida, citado pelo jornal The Jerusalem Post.

    "Como um estado, devemos continuar demostrando nosso amplo e profundo apoio ao nosso aliado e parceiro econômico com a execução de políticas pró-Israel", afirmou.

    "Hoje declaramos ao mundo que a Flórida está unida a Israel."

    A Flórida, que tem uma população judaica significativa (cerca de 630 mil, segundo dados divulgados pelo jornal local Tampa Bay Times), é conhecida por suas políticas pró-Israel. O estado adotou várias leis proibindo os negócios na Flórida de manter cooperação qualquer com entidades que participam do Boycott, Divestment and Sanctions (BDS, na sigla em inglês) — a campanha global que preconiza a prática de boicote econômico, acadêmico, cultural e político a Israel, bem como outros movimentos similares, que têm com objetivo impor embargo à nação judaica.

    Em dezembro de 2017, os EUA anunciaram planos de transferir embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, reconhecendo assim a cidade como a capital de Israel. Em 14 de maio de 2018, a nova embaixada norte-americana foi inaugurada em Jerusalém o que, por sua vez, provocou fortes confrontos na Faixa de Gaza. 

    Israel se apoderou da então Jerusalém Oriental, então controlada pela Jordânia, durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Já em 1980, o Parlamento israelense adotou a Lei de Jerusalém, proclamando, assim, toda a cidade como capital da nação.

    A comunidade internacional não reconhece a anexação e acredita que o status de Jerusalém deve ser acordado com os palestinos, que reivindicam sua parte oriental como capital de seu futuro Estado.

    Mais:

    Brasil terá embaixada em Jerusalém e pode ter base dos EUA no país, diz Bolsonaro (VÍDEO)
    Maior parceiro no Oriente Médio, Irã critica Bolsonaro por levar embaixada para Jerusalém
    Netanyahu revela 'promessa' de Bolsonaro de levar embaixada para Jerusalém
    Tags:
    judeus, aliado, capital, cidade, embaixada, reconhecimento, Donald Trump, Israel, Jerusalém, Flórida, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar