01:49 19 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Uma vigília à luz de velas para honrar as vitimas da explosão do carro-bomba, em Bogotá, Colômbia

    Ministro colombiano: autor do atentado em Bogotá foi guerrilheiro do ELN desde 1994

    © REUTERS / Luisa Gonzalez
    Américas
    URL curta
    401
    Nos siga no

    O autor do atentado em Bogotá, José Aldemar Rojas Rodríguez, era um especialista em explosivos que fazia parte da organização guerrilheira Exército de Libertação Nacional (ELN) desde 1994, informou o ministro da Defesa colombiano, Guillermo Botero.

    "Foi possível estabelecer que desde 1994 [José Rojas] desempenhou papel de miliciano do ELN", esclareceu o ministro da Defesa em uma coletiva de imprensa. 

    O atentado passou pelo menos dez meses sendo arquitetado, acrescentou o ministro.

    "Em 2015, esta pessoa tentou ser incluso na lista de membros das FARC [Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia], mas foi categoricamente rejeitado pelos mesmos membros das FARC que queriam se acolher em um pacto de paz", que estava sendo negociado na época e seria assinado em 2016, explicou Botero.

    O ministro declarou também a sua solidariedade para com as famílias das pessoas falecidas em resultado do atentado em Bogotá.

    Em 17 de janeiro, um carro-bomba explodiu na Escola de Cadetes da Polícia General Santander, em Bogotá, causando 21 mortes, entre eles o responsável do ataque, e 68 feridos. O condutor do carro-bomba, José Aldemar Rojas Rodríguez, de 56 anos, explodiu 80 kg de pentolite. As vítimas do ataque terrorista estão sendo identificadas.

    Mais:

    Quem é José Aldemar Rojas, autor do atentando em Bogotá
    Explosão de carro-bomba deixa 10 mortos e vários feridos em Cabul
    Explosão de carro-bomba mata ao menos 8 pessoas e fere 10 em Bogotá (FOTOS, VÍDEO)
    Ministério do Interior: 4 mortos e 44 feridos em atentado com carro-bomba no Afeganistão
    Tags:
    mortos, vítimas, carro-bomba, explosão, atentado, Bogotá, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar