18:17 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Andres Manuel Lopez Obrador, leader of the National Regeneration Movement (MORENA) party, gives a speech to supporters in Zumpango, Mexico

    Presidente do México corta impostos em ação que pode dar 'ajudinha' a Trump

    © REUTERS / Henry Romero
    Américas
    URL curta
    250
    Nos siga no

    O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, decretou nesta segunda-feira cortes de impostos para os estados do norte do país que, segundo ele, ajudarão a impulsionar o crescimento econômico e deter a migração para os Estados Unidos.

    Uma ordem executiva no diário oficial do governo concedeu taxas mais baixas para impostos sobre valor agregado e renda em mais de 40 municípios na fronteira com os Estados Unidos, uma área que se tornou um ponto crítico das políticas do presidente norte-americano Donald Trump para deter imigrantes, incluindo a construção de um muro.

    Os cortes de impostos de López Obrador poderiam reduzir a receita tributária do governo durante 2019, quando ele implementará um orçamento que busca usar cortes de gastos para ajudar a financiar novos projetos de bem-estar social e infraestrutura.

    Em um evento em Monterrey, no norte do estado de Nuevo León, no último sábado, López Obrador disse que o salário mínimo na faixa norte dos municípios aumentaria para 177 pesos (US$ 9,00), quase o dobro do nível nacional, a partir de 1º de janeiro. Os valores seriam ajustados em pé de igualdade com os preços dos EUA.

    "Este é um projeto muito importante para impulsionar o investimento e a criação de empregos", disse López Obrador a líderes empresariais.

    O decreto busca dar uma vantagem às empresas mexicanas do norte, que competem com empresas sediadas nos EUA do outro lado da fronteira.

    López Obrador prometeu aumentar o desenvolvimento econômico para impedir a migração para os Estados Unidos. Trump quer que fiquem no México os centro-americanos que buscam asilo nos EUA.

    O plano dará às empresas da região créditos fiscais no valor de 50% das taxas de IVA. Empresas que podem mostrar que ganham mais de 90% de sua receita na área são elegíveis para um crédito de imposto de renda equivalente a um terço das quotas.

    No mês passado, economistas do Citigroup estimaram que a receita fiscal mais baixa do norte mexicano poderia custar ao governo cerca de 120 bilhões de pesos (US$ 6,10 bilhões) por ano.

    Uma câmara nacional de donos de empresas, a Coparmex, acolheu o decreto em uma declaração como uma medida "judiciosa" que poderia estimular o investimento na região.

    O Partido de Ação Nacional, de centro-direita, a maior oposição à coalizão esquerdista de López Obrador no Congresso, declarou que o decreto é uma "fraude", já que ficou aquém de uma promessa de campanha para reduzir as taxas de impostos para os consumidores.

    O líder do PAN, Marko Cortes, informou em um comunicado que os cortes nos impostos do IVA só beneficiariam "intermediários", e que não aumentaria o investimento, já que era um decreto presidencial que poderia ser removido a qualquer momento.

    Mais:

    Trump ameaça paralisar governo se democratas não aprovarem muro com México
    AMLO: México não pagará muro na fronteira com EUA
    Presidente do México promete aumentar produção de petróleo estatal em 45% até 2025
    Tags:
    relações bilaterais, impostos, muro, fronteira, PAN, Citigroup, Marko Cortes, Donald Trump, Andrés Manuel López Obrador, Estados Unidos, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar