00:00 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Caravana de milhares de migrantes se dirige do México aos EUA

    Caravana de migrantes demanda indenização dos EUA por demora em análise de asilo

    © REUTERS / Go Nakamura
    Américas
    URL curta
    332

    Dois grupos de migrantes da América Central marcharam para o Consulado dos EUA em Tijuana exigindo que eles sejam processados pelo sistema de asilo mais rapidamente. Eles deram duas opções às autoridades: os EUA devem conceder entrada ou pagar US$ 50.000 para cada um deles em reparações.

    Os grupos chegaram separadamente ao consulado, ambos inconscientes das exigências uns dos grupos, informou o San Diego Union-Tribune. O primeiro grupo, formado por 100 migrantes, exigiu o pagamento de US$ 50.000 por pessoa ou a entrada nos EUA. O organizador, Alfonso Guerrero Ulloa, de Honduras, disse que escolheu esse montante de compensação como grupo.

    “Pode parecer muito dinheiro para você. Mas é uma quantia pequena se comparada a tudo que os Estados Unidos roubaram de Honduras”, afirmou.

    A carta do grupo deu ao Consulado dos EUA 72 horas para responder, mas acrescentou que ainda não decidiram o que farão se suas exigências não forem atendidas.

    A segunda carta veio de outro grupo de migrantes, exigindo que os EUA acelerem o processo de asilo, solicitando que até 300 solicitantes de asilo sejam admitidos no Porto de San Ysidro de entrada todos os dias, em vez dos 40 a 100 atualmente admitidos. Este segundo grupo alega que o ritmo lento viola as leis americanas e internacionais que exigem um processamento imediato dos requerentes de asilo e coloca em risco os migrantes vulneráveis, culpando os EUA por “uma crise de refugiados causada em grande parte por décadas de intervenção dos EUA na América Central. 

    Alguns membros deste segundo grupo de 50 migrantes participaram anteriormente de uma greve de fome que também exigiu uma aceleração do processo de asilo nos EUA. A carta não dava nenhum cronograma específico para os EUA responderem.

    O segundo grupo também se reuniu com funcionários mexicanos da imigração pedindo-lhes para parar de trabalhar com a polícia municipal na deportação de membros da caravana.

    A caravana de 6 mil migrantes começou a chegar em Tijuana há quase um mês, exigindo atravessar a fronteira dos EUA enquanto fugiam de seus países de origem na América Central. Aproximadamente 700 retornaram voluntariamente ao seu país de origem, 300 foram deportados e 2.500 solicitaram vistos humanitários no México, segundo Xochtil Castillo.

    Tags:
    Consulado Geral dos EUA, Xochtil Castillo, Alfonso Guerrero Ulloa, San Ysidro, México, Tijuana, América Central, Estados Unidos, Honduras
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik