08:10 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    =Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

    Venezuela prorroga proibição temporária de porte de armas

    © REUTERS / Handout via REUTERS
    Américas
    URL curta
    335

    As autoridades da Venezuela estenderam uma proibição temporária sobre o porte armas de fogo e facas por mais um ano nesta terça-feira (28), disse o ministro venezuelano do Interior, Nestor Reverol.

    A proibição foi introduzida pela primeira vez em 2017 em resposta aos protestos contra o governo em todo o país.

    "De acordo com uma decisão conjunta do Ministério da Defesa e do Interior […] uma proibição temporária de porte de armas de fogo e armas brancas em todo o território do país foi prorrogada por um ano. Esta medida, se necessário, pode ser aplicada por mais tempo, e faz parte das ações para garantir a segurança dos cidadãos, bem como a paz e a ordem interna", escreveu o Reverol no Twitter.

    ​​​Mais de 100 pessoas morreram durante protestos no ano passado na Venezuela. As manifestações foram provocadas por decisões governamentais impopulares, além de uma profunda crise econômica acompanhada de hiperinflação.

    Este ano, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, também já sofreu um atentato durante um discurso, quando drones carregando explosivos foram abatidos pelas Forças de Segurança do governo.

    Apesar de medidas econômicas no país, a crise continua e milhares de venezuelanos estão fugindo para países vizinhos. No Brasil, a entrada se dá principalmente por Roraima, o que tem gerado uma crise local.

    Mais:

    Peru declara emergência sanitária por migração da Venezuela
    Equador abandona ALBA em resposta à crise migratória na Venezuela
    Professor avalia mudança de câmbio na Venezuela e prevê próximos passos da crise
    Tensão: Colômbia protesta contra nova incursão militar da Venezuela
    Crise na Venezuela pode deixar Roraima 'no escuro'
    Tags:
    imigração, crise econômica, Nestor Reverol, Nicolás Maduro, Roraima, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik