Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Maduro adota plano que permite à Venezuela economizar em petros e ouro

© REUTERS / Miraflores PalacePresidente da Venezuela, Nicolás Maduro, segurando uma placa mostrando o valor de uma Petro em comparação com a nova moeda venezuelana, durante reunião com os ministros no Palácio de Miraflores em Caracas, Venezuela, em 17 de agosto de 2018
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, segurando uma placa mostrando o valor de uma Petro em comparação com a nova moeda venezuelana, durante reunião com os ministros no Palácio de Miraflores em Caracas, Venezuela, em 17 de agosto de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tomou medidas em meio à deterioração econômica do país, a qual fez Caracas adotar uma criptomoeda nacional lastrada em reservas de petróleo.

Os residentes do país venezuelano estarão agora dispostos a investir na criptomoeda petro e em ouro, disse Maduro na segunda-feira (27).

O presidente apresentou dois tipos de barras de ouro que se estariam disponíveis para compra. O preço de uma barra de 1,5 gramas chegará a 3,7 mil bolívares, enquanto uma barra de 2,5 gramas custará 6,3 mil bolívares.

​"Esta semana vamos ativar um conjunto de elementos dentro do Plano de Recuperação; um Plano de Economia em Ouro, que permitirá aos venezuelanos terem livre acesso aos lingotes: serão [barras de ouro] de 1,5 gramas no valor de 3.780 bolívares e 2,5 gramas por 6.300 bolívares", disse o líder venezuelano.

Logo del petro (archivo) - Sputnik Brasil
Nova moeda da Venezuela será lastreada pelo Petro
Deve-se notar que, recentemente na Venezuela foi implementado um programa de recuperação econômica, crescimento e prosperidade, que incluiu uma reconversão monetária, uma nova política fiscal, um novo sistema de câmbios de moeda, entre outras medidas.

Em fevereiro, Caracas lançou sua própria criptomoeda, o petro, que é lastrada em reservas de petróleo do país.

A situação econômica do país latino-americano se deteriorou devido ao déficit de bens, à aceleração da inflação, à queda das receitas do governo, impulsionada pela queda dos preços do petróleo e do gás, além de protestos em massa.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала