17:03 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado russo na Síria (arquivo)

    Senador dos EUA: Cortar fundos da Síria é 'estender o tapete vermelho para a Rússia'

    © REUTERS / Omar Sanadiki
    Américas
    URL curta
    719

    A decisão dos EUA de redirecionar US $ 230 milhões dos esforços de estabilização na Síria permitirá à Rússia e ao Irã fortalecer o apoio ao presidente Bashar Assad, disse o membro do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Bob Menendez, em um comunicado à imprensa nesta sexta-feira.

    No início do dia, o Departamento de Estado anunciou que estava redirecionando US $ 230 milhões em financiamento de estabilização da Síria para outras prioridades de política externa ainda a serem determinadas.

    "[Trump] está estendendo o tapete vermelho para a Rússia e o Irã, que aproveitarão o vácuo da presença e assistência dos EUA para dobrar seu apoio ao regime de Assad", disse Menendez.

    Sem financiamento de estabilidade, acrescentou Menéndez, a Síria continuará sendo uma ameaça à segurança de Israel.

    A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, afirmou em um comunicado de imprensa nesta sexta-feira que o governo dos EUA continuará a financiar as operações dos Capacetes Brancos na Síria.

    "Essa decisão não representa uma mudança no compromisso de Washington com seus objetivos no país do Oriente Médio", afirmou a porta-voz.

    Em uma teleconferência separada com repórteres, Nauert disse que o ex-embaixador dos EUA no Iraque, Jim Jeffrey, foi indicado para servir como representante para o engajamento sírio. Durante a mesma chamada, um funcionário do Departamento de Estado disse que os Estados Unidos deixaram claro para a Rússia que nenhum financiamento de reconstrução para a Síria será fornecido até que a ONU valide um processo político irreversível no país.

    Tags:
    Departamento de Estado dos EUA, ONU, Capacetes Brancos, Bob Menendez, Jim Jeffrey, Heather Nauert, Bashar Assad, Donald Trump, Iraque, Washington, Irã, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik