17:43 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e sua esposa, Cilia Flores, durante uma parada militar em Caracas em 4 de agosto de 2018

    Venezuela tem 25 suspeitos do atentado a Maduro

    © REUTERS /
    Américas
    URL curta
    540

    O número total de suspeitos de envolvimento na tentativa de assassinato do presidente venezuelano Nicolás Maduro chegou a 25 pessoas, disse nesta quinta-feira (9) o ministro do Interior da Venezuela, Nestor Reverol.

    Na quarta-feira (8), a Procuradoria Geral do país informou que 19 pessoas ligadas à tentativa de assassinato haviam sido identificadas.

    "Informamos ao país sobre o progresso feito na investigação da tentativa fracassada de assassinar o presidente Nicolás Maduro que foi feita em 4 de agosto. Esta investigação de ato terrorista está sendo realizada contra 25 pessoas", afirmou Reverol em uma postagem no Twitter.

    ​Nesta quinta-feira (9), o ministro das Relações Exteriores da Venezuela pediu à Colômbia e aos Estados Unidos que extraditem os suspeitos que residem nesses países.

    No sábado (4), Maduro enfrentou uma tentativa de assassinato. O atentado foi cometido quando dois drones carregados de explosivos foram detonados perto do palanque do presidente quando ele estava fazendo um discurso público em um desfile militar em Caracas. Maduro ficou ileso, enquanto sete soldados sofreram ferimentos.

    Mais:

    Parlamentares perdem imunidade na Venezuela após atentado contra Nicolás Maduro
    Polícia Federal fecha fronteira com Venezuela após decisão judicial
    Governo vai recorrer de decisão judicial sobre fechamento de fronteira com Venezuela
    Venezuela é 'bolha no pé dos EUA': especialista sobre tentativa de atentado contra Maduro
    Após atentado, 11 jornalistas foram presos na Venezuela, diz sindicato local
    Por que Maduro decide assumir responsabilidade por crise na Venezuela?
    Tags:
    atentado, Nestor Luis Reverol, Nicolás Maduro, Colômbia, Caracas, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik