06:11 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    WikiLeaks founder Julian Assange speaks to the media outside the Ecuador embassy in west London in this August 19, 2012 file photo

    Presidente do Equador já tem acordo com EUA sobre Assange, diz Rafael Correa

    © REUTERS / Olivia Harris/Files
    Américas
    URL curta
    8214

    Os dias de "asilo" de Julian Assange na embaixada do Equador em Londres estão contados, disse o ex-presidente do país, Rafael Correa à RT. Quando estava no comando quando ofereceu o asilo do fundador do WikiLeaks.

    Os comentários de Correa surgem em meio a especulações de que seu sucessor, Lenin Moreno, poderá em breve expulsar Assange, provavelmente para ser preso pelas autoridades britânicas. De acordo com o próprio Assange, isso levaria ao desimpedimento de uma acusação secreta dos EUA contra ele e sua extradição para a América.

    Moreno disse esta semana que, mais cedo ou mais tarde, Assange terá que deixar a missão diplomática. No entanto, o Equador quer garantir que nada "represente perigo" para a vida de Assange, sublinhou o presidente.

    "Você pode ter certeza de que ele [Moreno] é um hipócrita. Ele já tem um acordo com os EUA sobre o que vai acontecer com Assange. E agora ele está apenas tentando adoçar a pílula dizendo que vai ter um diálogo" disse Correa à RT sobre as condições da transferência. "Eu estou com medo […] que os dias de Assange em nossa embaixada estejam contados".

    O presidente do Equador, Lenin Moreno, não fez segredo algum de que o refúgio de Assange foi um incômodo para seu governo, herdado de Correa. O australiano vive no complexo desde 2012 e tem sido barrado por seus anfitriões equatorianos de qualquer comunicação.

    Acusando o presidente equatoriano de "reduzir [Assange] a um hacker que bisbilhotou e-mails privados", Correa ressaltou que Moreno não consegue entender a complexidade do papel de Assange em expor os abusos dos direitos humanos pelo governo dos EUA, ou a punição severa. anos de idade vai enfrentar se for extraditado para os EUA.

    Correa, que agora realiza um show sobre no serviço espanhol da RT, ressaltou que a menos que Assange tenha garantias de passagem seguras, ele provavelmente será processado por espionagem e traição "que podem levar à pena de morte". Moreno disse na sexta-feira (27) que está tentando negociar as garantias de segurança de Assange, Correa acredita que o destino do ativista já foi selado.

    "[Moreno] fala sobre um diálogo, mas tudo já foi acordado com o governo do Reino Unido, especialmente depois da visita do vice-presidente Pence ao Equador há algumas semanas", disse Correa.

    Tags:
    asilo político, RT, WikiLeaks, Mike Pence, Julian Assange, Rafael Correa, Lenin Moreno, Estados Unidos, EUA, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik