01:08 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Temer deu uma camiseta da seleção brasileira de futebol ao presidente Xi Jinping.

    China é uma ameaça para os EUA na América Latina, denuncia almirante norte-americano

    © Foto : Beto Barata/PR
    Américas
    URL curta
    20291

    A decisão da China de ampliar sua ambiciosa iniciativa de comércio de milhões de dólares para a América Latina cria "vulnerabilidades de segurança" para os Estados Unidos, disse o chefe do Comando Sul do país (SOUTHCOM), Kurt Tidd.

    Falando em uma reunião do Comitê de Serviços Armados do Senado, ele disse que a China já prometeu US$ 500 bilhões em fundos comerciais com vários países da América Latina e US$ 250 bilhões em investimentos diretos na próxima década.

    "Aumento da cooperação econômica — como a extensão da iniciativa 'One Belt, One Road' ['Um Cinturão, Uma Rota', também conhecida como 'Nova Rota da Seda'] para a América Latina, um dos nós para apoiar a visão da China de uma iniciativa econômica global concorrente — e a continuação da provisão de financiamento e empréstimos que parecem não ter limites e proporcionam ampla oportunidade para a China expandir sua influência sobre os principais parceiros regionais e promover práticas comerciais e trabalhistas injustas", avaliou.

    Tidd acrescentou que "o aumento do alcance para os principais pontos de acesso globais como o Panamá criam vulnerabilidades comerciais e de segurança para os Estados Unidos, assim como as empresas chinesas de telecomunicações e espaciais com potencial de dupla utilização, o que poderia facilitar a coleta de informações, comprometer as redes de comunicação e, em última instância, restringir nossa capacidade de trabalhar com nossos parceiros".

    Segundo o comandante do SOUTHCOM, a China está intensificando seu papel como rival norte-americano na América Latina.

    "O maior desafio estratégico colocado pela China nesta região ainda não é militar. É econômico, e uma nova abordagem pode ser necessária para competir efetivamente contra os esforços coordenados da China nas Américas. Alguns dos elementos mais críticos necessários neste esforço não são aqueles que [o SOUTHCOM] podem suportar", destacou.

    O almirante dos EUA explicou que as operações chinesas na América Latina não "ainda" representam uma ameaça militar, mas Pequim está recrutando cada vez mais os latino-americanos que participam do Programa de Educação e Treinamento Militar Internacional dos EUA (IMET).

    O programa facilitou o comparecimento de quase 16 mil alunos da região a várias faculdades americanas de guerra, o militar observou.

    "A China, em particular, é cada vez mais agressiva ao cortejar estudantes da região para frequentar as escolas militares chinesas, oferecendo para cobrir todas as despesas e salários em troca do aumento da matrícula dos estudantes", comentou Tidd.

    Sob a iniciativa mais ampla do 'Um Cinturão, Uma Rota', anunciada pelo presidente chinês Xi Jinping em 2013, Pequim planeja construir uma nova 'Estrada da Seda'. Além disso, ela destina-se a conectar a China ao Sudeste e à Ásia Central por terra e ao Oriente Médio e Europa pelo mar.

    O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, recentemente encorajou os Estados da América Latina e do Caribe a expandir seus negócios com o país. Vários Estados, incluindo Chile e Bolívia, já declararam sua disposição para se integrar na iniciativa.

    Mais:

    Almirante norte-americano alerta sobre guerra com China
    Marinha dos EUA: Pequim está militarizando mar do Sul da China com 7 novas bases
    China espera que EUA deixem de classificar as relações internacionais como confronto
    Tags:
    ameaça militar, relações econômicas, diplomacia, Um Cinturão, Uma Rota, nova rota da seda, Southcom, Wang Yi, Kurt Tidd, América Latina, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik