06:14 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Bitcoin, criptomoeda

    'Criptocrime': americana usa bitcoin para lavar dinheiro para o Daesh

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Américas
    URL curta
    220

    Uma mulher supostamente converteu US$ 85.000 em bitcoin e outras moedas virtuais para apoiar o Daesh, mas foi apanhada pelas autoridades enquanto tentava embarcar em um voo fora dos EUA.

    Zoobia Shahnaz, 27, uma cidadã dos EUA, foi indiciada na última quinta-feira no tribunal federal em Central Islip, no Estado americano de Nova York.

    Shahnaz foi acusada de cinco crimes, envolvendo fraude bancária, conspiração para cometer lavagem de dinheiro, e três acusações substantivas de lavagem de dinheiro, de acordo com uma declaração do Departamento de Justiça (DOJ) dos EUA.

    Tanto os dados do tribunal como a acusação divulgada na quinta-feira alegam que Shahnaz fraudou várias instituições financeiras, que é como ganhou mais de US$ 85.000.

    Depois de supostamente enganar as instituições financeiras, Shahnaz procedeu à conversão desse dinheiro em bitcoin e moedas similares, que foram então transferidas para fundos estrangeiros e lavadas para sustentar o Daesh, disse o comunicado de imprensa do DOJ.

    Shahnaz foi presa na quarta-feira no Aeroporto Internacional John F. Kennedy, após um interrogatório feito por funcionários da lei que a impediram de viajar enquanto tentava deixar os EUA para Islamabad, no Paquistão.

    Shahnaz lavou o bitcoin para pessoas nos países da China, Turquia e Paquistão. A mulher também "acessou a propaganda do Daesh, sites e fóruns de discussão relacionados à jihadistas violentos, e páginas de mídia social e mensagens de recrutadores, facilitadores e financiadores conhecidos do Daesh", de acordo com a declaração do DOJ.

    Ela fez pesquisas de mapas que descrevem as regiões da Síria então sob controle do Daesh e buscou na internet "recrutadores, financiadores e lutadores do Daesh, incluindo aqueles que incentivavam ataques de lobos solitários contra alvos americanos".

    Shahnaz também teve intenções de "viajar para a Síria e se juntar ao Daesh", disse o comunicado de imprensa do DOJ.

    A procuradora para o Distrito Oriental de Nova York, Bridget Rohde, divulgou uma declaração sobre o caso de Shahnaz.

    "Como alegado, a ré Zoobia Shahnaz se envolveu em um esquema de fraude bancária, comprou bitcoin e outras criptomoedas e lavou dinheiro no exterior, com a intenção de colocar milhares de dólares nos cofres de terroristas", disse Rohde, de acordo com o jornal Washington Examiner.

    A viagem de Shahnaz para fora dos EUA também teve uma escala em Istambul, Turquia, que durou vários dias. Os promotores afirmam que este é um "ponto comum de entrada" para as pessoas provenientes dos países ocidentais que tentam se juntar ao Daesh, de acordo com o comunicado de imprensa do DOJ.

    Mais:

    Rússia e China podem vir a arquitetar apocalipse do bitcoin em 2018
    Criptomoeda ether supera bitcoin com valorização de 8.000%
    Bitcoin: com mercado futuro, foi dada a largada para briga de gigantes
    Bitcoin entra no radar dos hackers da Coreia do Norte
    Tags:
    lavagem de dinheiro, terrorismo, crimes cibernéticos, cibercrime, moeda virtual, criptomoeda, bitcoin, Departamento de Estado dos EUA, Daesh, Bridget Rohde, Zoobia Shahnaz, Paquistão, Síria, Turquia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik