12:36 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Ex-diretor de campanha de Trump, Paul Manafort, antes da sessão de abertura da Convenção Nacional Republicana em Cleveland, em julho de 2016

    Ex-chefe de campanha de Trump é colocado em prisão domiciliar

    © AP Photo / Carolyn Kaster
    Américas
    URL curta
    3 0 0

    Paul Manafort, ex-chefe de campanha de Donald Trump, e seu vice na época, Rick Gates, indiciados pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos nesta segunda-feira, deverão cumprir prisão domiciliar por uma série de acusações, com fianças no valor de 10 milhões e 5 milhões de dólares, respectivamente.

    Entre as acusações contra os dois estão a de lavagem de dinheiro, ocultação, conspiração contra os Estados Unidos e ausência de registro de agentes estrangeiros do governo ucraniano quando atuaram como lobistas do ex-presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, de 2004 a 2014.

    Tanto Manafort como Gates se declararam inocentes de todas as acusações durante a audiência de hoje, em Washington, D.C. Mas ambos concordaram em entregar seus passaportes e cumprir prisão domiciliar informando diariamente suas atividades às autoridades em troca de uma libertação da custódia. A próxima audiência, com a juíza Deborah Robinson, foi marcada para o dia 2 de novembro.

    Os dois são alguns dos envolvidos nas investigações sobre o suposto conluio de assessores da campanha eleitoral de Donald Trump com a Rússia, que, segundo algumas autoridades e políticos norte-americanos, teria levado o republicano à Casa Branca. No entanto, nenhuma das acusações pelas quais os dois homens foram indiciados nesta segunda-feira tem conexão direta com a campanha presidencial ou com a Casa Branca.

    "Acho que todos vocês viram hoje que o presidente Donald Trump estava certo", afirmou o advogado de Manafort, Kevin Downing, em declarações à imprensa. "Não há evidência de que o senhor Manafort ou a campanha de Trump conspiraram com o governo russo", destacou, acrescentando que seu cliente, na verdade, representou campanhas ucranianas pró-europeias e tentou aproximar a Ucrânia do Ocidente, atividades que terminaram em 2014, dois anos antes de seu trabalho na corrida eleitoral com Trump.

    "Também não há CONLUIO!"

    Também nesta segunda-feira, o Departamento de Justiça anunciou que George Papadopoulous, conselheiro de política exterior da campanha de Trump, se declarou culpado por mentir para o FBI sobre seu contato ou tentativa de contato com "agentes" russos durante a campanha presidencial.

    Mais:

    Comitê de inteligência: não há evidência de conluio entre Trump e Rússia
    Autor da teoria de 'conspiração de Trump com Moscou' insulta Assange no Twitter
    Tags:
    Casa Branca, FBI, George Papadopoulous, Viktor Yanukovych, Kevin Downing, Deborah Robinson, Rick Gates, Paul Manafort, Donald Trump, Washington, Rússia, Ucrânia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar