21:55 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-gerente da campanha eleitoral de Donald Trump, Paul Manafort, cercado por jornalistas durante Congresso Nacional Republicano, Cleveland, EUA

    Ex-gerente da campanha eleitoral de Trump é forçado a se render, comunica mídia

    © AP Photo / Matt Rourke
    Américas
    URL curta
    320
    Nos siga no

    A informação ainda não foi confirmada pelo FBI. A notícia sucede especulações de que o procurador especial Robert Mueller vai apresentar primeiras acusações na investigação russa.

    A conselheira da Casa Branca, Kellyanne Conway, disse: "Não sabemos se isso tem a ver com a campanha", adicionando que o presidente norte-americano desmentiu os recentes relatórios da mídia se referindo à investigação russa como "farsa".

    A emissora CNN publicou imagens do ex-gerente da campanha eleitoral de Donald Trump, Paul Manafort, ao chegar à sede do FBI, um tempo depois do New York Times ter comunicado, citando fontes, que Manafort e o seu antigo parceiro de negócios Rick Gates foram ordenados a se render por autoridades federais.

    De acordo com a declaração oficial do procurador especial Paul Manafort, o ex-diretor da campanha eleitoral de Trump e o antigo parceiro de negócios Rick Gates foram acusados de 12 crimes, incluindo conspiração contra os EUA e lavagem de dinheiro. Manafort não falou sobre o caso ainda.

    Ainda não chegou a confirmação oficial da matéria do NYT pelo FBI.

    A Reuters comunicou que Manafort foi visto saindo de casa na manhã da segunda-feira (30), contudo, não se sabe para onde estava indo.

    Notícias sobre as acusações contra Manafort surgiram uns dias após a mídia especular que as primeiras acusações na investigação do procurador especial Robert Mueller – sobre alegado envolvimento da Rússia nas presidenciais norte-americanas em 2016 – teriam sido aprovadas pelo grande júri federal na quinta-feira (27) e estariam sendo ordenadas por um juiz federal.

    Investigação contra Rússia

    Estão em curso duas investigações separadas sobre o alegado envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais nos EUA em novembro de 2016. O procurador oficial Robert Mueller e o Congresso estão tratando disso.

    De acordo com mídias, alguns membros da campanha eleitoral de Donald Trump são suspeitos de "alegado complô" com a Rússia, o que o Kremlin chamou de "absurdo". Por sua vez, o presidente norte-americano chamou a investigação contra a Rússia de "caça às bruxas". Para ele, estão tentando apenas justificar a perda da ex-candidata Hillary Clinton.

    Negócios de Manafort

    Em março, a Associated Press escreveu sobre um suposto trabalho de Manafort para um magnata de alumínio russo para promover os interesses russos no exterior. De acordo com a mídia, as ligações entre os dois foram iniciadas ainda no início do século, nos anos 2000. O bilionário russo Oleg Deripaska desmentiu as acusações da mídia, processando-a em maio.

    Contudo, em uma matéria de outubro, a NBC News declarou que teve acesso a documentos sobre transferências de dinheiro de uma empresa do bilionário russo, citado acima, para a Yiakora Ventures, que é "parte relacionada" aos interesses financeiros de Manafort. De acordo com a NBC, 60 milhões de dólares (cerca de 180 milhões de reais) teriam sido transferidos entre os dois homens de negócio.

    Mais:

    Para que 'não compliquem': senador propõe aos EUA adotarem sanções contra toda a Rússia
    Rússia: agressão contra mídia russa está relacionada com serviços secretos dos EUA
    Mídia: Rússia não precisa de espiões para ter acesso às tecnologias militares dos EUA
    Tags:
    acusações, campanha eleitoral, eleições presidenciais, FBI, Paul Manafort, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar