09:53 22 Maio 2019
Ouvir Rádio
    US President Donald Trump delivers a speech during Arab-Islamic-American Summit in Riyadh, Saudi Arabia May 21, 2017.

    Trump: uso da força pode resolver crise com Coreia do Norte; paz é possível em Gaza

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    2675

    O uso da força militar é uma das opções na disposição dos Estados Unidos para resolver a crise nuclear ameaçadora da Coreia do Norte, mas não é inevitável, disse o presidente Donald Trump durante uma conferência de imprensa conjunta com Emir do Kuwait Sheikh Sabah al-Ahmad al-Sabah nesta quinta-feira.

    "A ação militar certamente seria uma opção", disse Trump, respondendo a uma pergunta sobre o curso de ação dos EUA em relação à Coreia do Norte. "Mas nada é inevitável. Seria ótimo se algo mais pudesse ser resolvido".

    Trump enfatizou que ele preferiria "trabalhar alguma outra coisa" para resolver a crise.

    No domingo, a Coreia do Norte anunciou que testou com sucesso uma bomba de hidrogênio que poderia ser carregada em um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês).

    Os EUA iniciaram quarta-feira um projeto de resolução entre os membros do Conselho de Segurança da ONU que procuram impor um embargo de petróleo à Coreia do Norte e congelar os ativos do líder norte-coreano Kim Jong-un.

    Os EUA pretendem apresentar a resolução de votação no Conselho de Segurança da ONU em 11 de setembro.

    Trump afirmou repetidamente que a sua administração continua a considerar todas as opções para resolver a questão da Coreia do Norte. No entanto, ele observou que a ação militar não seria sua primeira escolha para abordar as ambições nucleares de Pyongyang.

    Paz entre Israel e Palestina

    Trump falou sobre outros assuntos durante a coletiva desta quinta-feira. O presidente dos EUA disse que a paz no Oriente Médio é possível porque os israelenses e os palestinos estão interessados em resolver o conflito.

    "Eu acho que temos a chance de fazê-lo", disse Trump sobre alcançar a paz na região. "Eu acho que tanto os palestinos quanto os israelenses gostariam de ver isso acontecer". Trump ressaltou que as relações dos EUA com Israel e Palestina podem promover conversações de paz.

    Os palestinos procuram reconhecimento diplomático para o seu Estado nos territórios da Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, que é parcialmente ocupada por Israel, juntamente com a Faixa de Gaza. O governo israelense se recusa a reconhecer a Palestina como uma entidade política e diplomática independente, construindo assentamentos nas áreas ocupadas, apesar das objeções da comunidade internacional.

    Tanto durante sua campanha presidencial quanto depois de se tornarem presidente, Trump prometeu tomar medidas para resolver o conflito entre Israel e a Palestina.

    Fim da crise no Qatar

    Em outra frente, o republicano se disse disposto a mediar a situação no Golfo Pérsico, no caso da crise diplomática de países da região com o Qatar não for resolvida em breve. "Eu acredito que vamos resolvê-lo. Se não o resolvermos, eu serei um mediador aqui mesmo na Casa Branca", disse Trump.

    O Kuwait já atua como mediador na crise entre o Catar e outros Estados árabes. No início de junho, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein, o Egito e vários outros Estados interromperam as relações diplomáticas com o Qatar, acusando o país de apoiar o terrorismo e interferir nos seus assuntos internos.

    No final de junho, o Kuwait entregou ao Qatar um ultimato emitido pelos quatro Estados árabes que contém 13 demandas. As demandas incluem o pedido de Qatar para romper as relações com o Irã; fechar a base militar da Turquia no seu território; desligar o canal de televisão Al Jazeera; e apoiar o fim da organização terrorista da Irmandade Muçulmana (proibida na Rússia).

    Qatar rejeitou o ultimato dizendo que as demandas são uma violação da sua soberania.

    No início de agosto, o ministro das Relações Exteriores do Qatar, Mohammed bin al-Thani, disse que Doha recebeu informações da Secretária de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sobre os planos dos EUA de enviar enviados para ajudar a resolver a crise diplomática.

    Ainda em agosto, a mídia local alegou que o emir do Kuwait havia enviado cartas aos países envolvidos na disputa propondo convocar uma cúpula e iniciar o diálogo. Na quarta-feira, Al-Thani, do Qatar, disse que os quatro países árabes envolvidos na disputa ignoraram a proposta do Kuwait de convocar uma cúpula com a participação de Doha.

    Mais:

    Trump ameaça acordo nuclear com o Irã, afirma ministro francês
    Trump: 'não vamos tolerar o que está acontecendo na Coreia do Norte'
    Obama considera 'cruel' decisão de Trump de destruir seu programa de imigração
    Tags:
    paz, guerra, embargo, sanções econômicas, diplomacia, relações bilaterais, Sabah al-Ahmad al-Sabah, Kim Jong-un, Donald Trump, Qatar, Oriente Médio, Palestina, Israel, Coreia do Norte, Kuwait, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar